Feiras, piratas e outros.

13 05 2009

feira_modaFui hoje a uma feira dessas que acontecem nas cidades, que duram uma semana, e que vendem todo tipo de tranqueira, obviamente dentro do perfil a que a feira se propõe. Então tem feira de informática, feira de livros, feira de automóveis, feira de móveis, feira de artesanato e por aí vai. A que fui hoje era de “Moda e Estilo”, ou coisa parecida.

Fiquei impressionada com o desespero das pessoas para comprar todo tipo de artiguete barato que se oferece à sua frente, a maioria deles desnecessários, de mau-gosto, feitos com material de quinta e com confecção de qualidade duvidosa. Mas ninguém resiste ao apelo de “um é dois, mas três é cinco”. A tal feira me pareceu mesmo um imenso camelódromo.

moda_indiaHavia um stand imenso cheio de roupas com a moda “trazida diretamente da Índia” e, segundo o anúncio em volume altíssimo, “absolutamente idêntica àquela usada pelas atrizes da novela da Globo”. Preciso dizer que estava lotado de gente?

Zanzei por lá, não vi nada que me interessasse e voltei para casa sem ter feito nenhuma despesa, a não ser um brinco que custou cinco reais e que realmente parece algo muito, mas muito superior mesmo.

O motivo de estar postando aqui sobre isso é que vi dois stands vendendo cópias piratas de DVDs e CDs. Tinha filme e show pra todo tipo de gosto. Com a capinha, o DVD custava quatro reais; sem a capinha, apenas acondicionado em um saco plástico, era apenas três reias. Lá estavam todos os sucessos do cinema, para quem quisesse.

Sem querer tomar aqui neste post nenhuma posição contra ou a favor da pirataria, sempre vi o tal comércio restrito apenas aos camelôs, ao informal, beirando o ilegal. Nunca esperei encontrar um representante dos piratões numa feira, num stand, estabelecido como se fosse uma loja qualquer.

AINDA VOLVERINE

volverine2Vocês acreditam que ainda não vi o tal do Volverine? O jornalista Alex de Souza me aconselhou a desligar o lado racional da mente e me divertir com o filme; é isso que vou fazer. Aliás, ando desligando o lado racional da mente com muita freqüência ultimamente. É bom que só.

C.S.I.

Fã de séries que sou, acho que a série C.S.I. perdeu a graça depois da saída do personagem Gil Grisom, interpretado pelo ator William Petersen. Mesmo considerando a magnética presença de Lawrence Fishbourne, que entrou para reforçar o elenco, os episódios não têm conseguido me prender a atenção. Aí, fico vendo as temporadas antigas que passam no canal AXN todo dia, às 18 horas.

QUALIDADE DE VIDA

writerPra vocês verem como uma bobagem pode fazer diferença na qualidade de vida de alguém. Na semana pasada, tomada por dor nas costas, na coluna, no pescoço e em tudo o que é de lugar da minha combalida anatomia, considerei que era hora de comprar uma cadeira específica para trabalhar, com braços, rodinhas e formato mais ergonômico. Foi o que fiz, e minha vida mudou deste então.

Agora, fico horas à mesa escrevendo e teclando, tendo retomado com redobrado vigor minhas pesquisas genealógicas sobre o Clã Santa Cruz. Se você se interessa pelo tema clique aqui e veja o que já descobri sobre a minha família.

A PRIMEIRA DAMA DA GENEALOGIA

Por falar em Genealogia, ontem, terça-feira, dia 12, recebi a visita da secretária do Colégio Brasileiro de Genealogia, do qual sou sócia-colaboradora. A ilustre personagem, a carioca Regina Cascão, veio em viagem de turismo e passou um dia na capital paraibana. Regina Cascão é autora de dois livros importantíssimos para a genealogia das famílias nordestinas: Pereira Lima – Uma Família Pernambucana e Do Porto ao Recife: os Pinto de Lemos. Andou, virou, mexeu, conheceu a cidade, conversamos e nos despedimos, esperando nos encontrar novamente em breve. Aí, sou eu que vou vê-la no Rio.

Regina Cascão e esta blogueira, ontem no Mercado de Artesanato, botando os assuntos em dia e satisfeitas que só um vintém na bacia dum cego.

Regina Cascão e esta blogueira, ontem no Mercado de Artesanato, botando os assuntos em dia e satisfeitas que só um vintém na bacia dum cego.

IRLANDA VOLTOU

Disposta, lustrosa e absolutamente despreocupada, minha gatinha Irlanda, que desapareceu há uma semana, reencontrou o caminho de casa e hoje de manhã voltou, para alegria de todos nós, sua família humana. Não se sabe por onde andou, ou o que fez. Não se sabe se foi levada, ou se foi por sua vontade. Aliás, com os gatos, é preciso aceitar essa independência deles, ou então a gente é capaz de ficar doido. Ela voltou, e estamos felizes.


Ações

Information

One response

14 05 2009
sergio almeida

Clotilde,
1-Sou do tempo (“vai-lha” que termo antigo, mas não sou tão antigo assim tenho 45 anos) que ir a feira era pra comprar frutas e verduras fresquinhas, hoje compra-se CD e DVD “genéricos”, deve ser a tal da “globalização”.rsrsrs
2-Quanto a produtos “indianos”, não sou de ver novelas a ultima que vi foi “Que Rei Sou Eu”, “afé” faz tempo.
3-Procurar qualidade de vida com acessórios mais confortáveis, não é bobagem, aproveito pra falar que um acessório importante pra evitar certas dores de coluna é um colchão adequado, falo por ter trabalhado em uma empresa de colchões (foi qdo das minhas viagens para J. Pessoa e |Recife), se vc gosta de colchões de espuma, procure um com a densidade indicda pro seu peso e altura, procure D.Nevinha Chianca(acho que ela ainda tem uma loja de colchões) fica ai na AV:Rui Carneiro, em frente ao mercado de artesanato e a um posto de gasolina, e troque o seu traveseiro a cda 18 meses(eles criam fungos e após este periodo é melhor trocar)

abraços
sergio

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: