Alavantu, anarriê!

23 06 2009

quadrilha_estili_04Todo ano e sempre por esta época eu abro espaço nas minhas colunas para falar sobre esse fenômeno das quadrilhas juninas, completamente desvirtuado desde que invetaram essa tal de quadrilha estilizada. O meu caro leitor, muito mais bem informado do que eu, poderia até dizer que eu não posso reclamar, uma vez que a cultura popular é assim mesmo, sujeita a mudanças, a modificações, e que essa dinâmica é uma característica do folclore.

Mas eu lhe digo que essas tais quadrilhas estilizadas não têm nada a ver com folclore ou cultura popular, sendo nada mais nada menos do que cultura de massa, criadas e veiculadas pela mídia televisiva, que lhes dá suporte, promoção e divulgação. Essas quadrilhas estilizadas surgiram há mais ou menos uns quinze ou vinte anos e apareceram primeiro, se não me engano, no programa da Xuxa, na TV Globo, como parte das coreografias apresentadas ali. O que sai na Xuxa o Brasil copia, e foi isso que aconteceu.

Definindo melhor, eu diria que estas quadrilhas são ” uma nova forma de expressão junina, que não é uma quadrilha matuta, mas um grupo de dança que tem uma coreografia própria, com passos criados exclusivamente para a música escolhida, como num corpo de balé. O grupo incorpora alguns personagens como Lampião, Maria Bonita, vaqueiros, espanholas e ciganos. Os seus trajes lembram roupas típicas do folclore dos pampas gaúchos, de uma escola de samba ou o faroeste americano.” Então, chamar este tipo de espetáculo de “quadrilha junina” e dizer que ele “preserva nossas tradições culturais”, como tem sido feito pela mídia, é exagero e falta de informação. Estas quadrilhas são simplesmente uma estilização bela e luxuosa mas artificial das verdadeiras quadrilhas juninas originais.

Quadrilha estilizada.

Quadrilha estilizada.

Da mesma forma que os Carnavais fora de época, que não têm nada a ver com o Carnaval de verdade; e os Rodeios e Vaquejadas atuais, que há muito se distanciaram da Vaquejada Nordestina, essas quadrilhas não têm muito a ver com a tradição original e são eventos fabricados para atender a uma necessidade de diversão de um segmento da população e para dar lucro aos empresários do setor. Um negócio, como outro qualquer, organizado pelas afiliadas da TV Globo em todas as capitais do Nordeste, com um forte esquema de divulgação através de VTs no horário nobre. Funcionam como um concurso, com várias eliminatórias, e no dia da final há chamadas ao vivo de meia em meia hora. Nenhum evento da cultura popular, com exceção talvez do Carnaval, tem uma cobertura tão maciça.

Quadrilha estilizada.

Quadrilha estilizada.

Quando faço esse tipo de crítica, todo mundo diz que isso é bobagem, que é um evento bonito, colorido, que atrai público. Ora, não sou doida. Sei que o espetáculo é colorido, que é bonito e que atrai público. Tem mais: acho ótimo que aconteçam na cidade mais e mais eventos desse tipo. Mesmo que alguns não sejam do meu agrado é bom que existam para todos os gostos. Também encaro com muita simpatia os empresários do lazer, que vendem felicidade, riso e diversão enquanto alguns vendem armas, bombas e mísseis.

Repito: nada contra. Mas é preciso que seja feito esse esclarecimento para que tanto as pessoas de fora do Nordeste quanto as novas gerações, que não conhecem a origem da tradição, saibam a respeito daquilo que estão fazendo e vendo. Imagine só se um turista chega aqui e assiste essa quadrilha estilizada: vai pensar que está no Texas, ou nos pampas gaúchos, e não no Nordeste.

Quadrilha matuta.

Quadrilha matuta.

A quadrilha junina “de verdade” eram antigamente dançada nos salões das casas grandes de fazenda ou nas humildes palhoças dos sítios, em ocasiões festivas como casamentos, batizados e outras, eram comuns nos séculos XVIII, XIX e primeira metade do século XX copiando, à maneira simples do nordestino, a quadrilha francesa dançada nos salões europeus da época. “Alavantu” é “en avant tous”, que quer dizer “todos à frente” e “anarriê” quer dizer “en arrière” , “para trás”, em francês.

Quadrilha matuta.

Quadrilha matuta.

Com a modernização e a entrada do Nordeste no século XX, com estradas, rádio e outros hábitos que foram incorporados à vida da região, as quadrilhas originais foram aos poucos deixando de existir e passaram a ser dançadas apenas no São João, acompanhando uma encenação mais ou menos improvisada de um casamento matuto. É um resquício, uma “sobrevivência”, como dizem os folcloristas, de algo que não existe mais na sua forma original. Em toda festa de São João, não importa o tamanho e a quantidade de pessoas, sempre se dança uma quadrilha, que é tanto mais divertida quanto mais improvisada.

Atualmente, como vi hoje no noticiário da Rede Globo, os concursos são organizados em três categorias de quadrilha: estilizada, comédia e tradicional. Na tradicional, ou matuta, segundo as explicações do apresentador, as moças se vestem com vestidos de tecido barato, geralmente chitão, e os homens com calças remendadas e chapéus de palha. Além disso, eles se movimentam utilizando “trejeitos próprios dos sertanejos” – mas aqui pra nós eu nunca vi um sertanejo andar daquele jeito, pelamordedeus.

Quadrilha estilizada: parece o can-can!

Quadrilha estilizada: não parece o can-can?

Na quadrilha estilizada, os homens usam terno e as moças usam vestidos luxuosos e bordados. Há um enredo, uma música que todos têm que cantar composta especialmente para essa quadrilha, e as coreografias são muito elaboradas, executadas em ritmo frenético, exigindo um preparo de maratonista para os dançarinos. Mal comparando, parece uma escola de samba e incluídos nos seus “enredos” mirabolantes já vi berrantes do Mato Grosso, pioneiros quakers da Nova Inglaterra, mulheres holandesas de touca e tamanquinho, cowboys americanos no estilo Tom Mix, negrinho do pastoreio e o mais de maluquice e aberração histórica que você possa imaginar.

Já na quadrilha estilo comédia, e ainda segundo a matéria veiculada, as celebridades viram alvo do humor. Homens se vestem como Xuxa ou Madonna, mas não esclarece se mulheres se vestem como Brad Pitt ou Ronaldo Fenômeno.

Hoje, véspera de São João, data que para mim tem conotações religiosas e de tradição muito profundas, que fazem parte da minha cultura, das minhas raízes e cujos sons e práticas correm forres e quentes junto com o sangue das minhas veias, fica o esclarecimento, o protesto e a esperança de ver um dia na mídia com igual destaque o verdadeiro São João da minha terra, a alegria do meu povo! Quem sabe, um dia?

UPDATE – Alguém me esclareceu hoje que as tais quadrilhas “estilo comédia” são compostas apenas por homens, vestidos de “homens” e de “mulheres”; e que as músicas e danças executadas pelos “casais” têm forte conotação sexual, imitando as coreografias do forró de plástico e das bandas de axé.

<a href=”https://clotildetavares.files.wordpress.com/2009/06/quadrilha_estili_01.jpg”><img class=”size-thumbnail wp-image-1238″ title=”quadrilha_estili_01″ src=”https://clotildetavares.files.wordpress.com/2009/06/quadrilha_estili_01.jpg?w=150&#8243; alt=”Quadrilha estilizada: parece o can-can!” width=”150″ height=”112″ /></a>

Quadrilha estilizada: parece o can-can!

Anúncios

Ações

Information

2 responses

23 06 2009
brunaguerreiro

Clotilde, te achei via Google, na tentativa de descobrir o que significava anarriê, e olha como a internet é pequena… logo reconheci teu nome lá do reino de Denize Barros! Vais ser linkada lá no meu blog de francês (leclubdefrancais.wordpress.com), viu? bjs!

23 06 2009
Clotilde Tavares

Eita! Legal! Beijo grande, querida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: