Calendário

12 07 2009

calendario1Nessa nossa vida agitada, vivemos estritamente regidos pelo relógio, pela agenda, pelo calendário. O tempo é medido, fracionado e domesticado através desses três instrumentos e fica difícil para muitos de nós, quando queremos nos livrar do estresse, entregar o tempo à sua natural fluidez, à sua eterna repetição de um dia depois do outro e uma noite no meio. É quase impossível se livrar do relógio mesmo em férias, mesmo numa praia deserta, mesmo num lugar onde não precisamos dele.

Mas nem sempre foi assim. Houve um tempo em que a maioria da população media o tempo pela época em que as flores se abriam, ou chegavam as tempestades, ou a neve derretia, ou os rios corria mais cheios. Houve um tempo – parece mentira – onde não existiam o domingo nem os outros dias da semana e onde as “quatro festas do ano” eram determinadas pelo ângulo que os raios do sol faziam com um marco qualquer, revelando os solstícios e equinócios.

Similaridades-0012joaoloboEm algum momento, porém, foi preciso que houvesse uma medição exata do tempo para disciplinar a vida comercial e social de comunidades e países que cada vez estavam mais civilizadas. Como, por exemplo, calcular juros sobre um empréstimo sem um calendário unificado? Como disciplinar entradas e saídas de navios de um porto? Como fazer a cristandade comemorar no mesmo dia a Páscoa e o Natal?

calendario2Todas essas perguntas estão respondidas no livro “Calendário: a epopéia da Humanidade para determinar um ano verdadeiro e exato”, de David Ewing Duncan (Ediouro, 1999). É um livro espetacular, pois o autor, começando a sua história desde a aurora da Humanidade, quando o homem pré-histórico entalhou num osso a passagem dos dias e as fases da Lua, vai até a espetacular epopéia que foi a criação do calendário gregoriano, esse que hoje em dia ainda nos rege. O livro dá detalhes de como foi formado o “grupo de trabalho” de cientistas e sábios, e de todos os estudos precursores dessa forma de medir o tempo que nos parece tão natural e lógica.

houses_of_parliament_city_of_london_englandEstamos tão acostumados com o tempo disciplinado e sendo o mesmo para todos os países do mundo que sequer podemos imaginar que apenas cinco séculos atrás isso não existia e que cada país, ou nação, usava a forma que lhe fosse mais confortável de medir o tempo. Mesmo o calendário gregoriano criado sob o aval do Papa não foi aceito imediatamente por todos os países. A própria Inglaterra só veio adotá-lo no século XIX, da mesma forma que ainda adota o sistema métrico baseado em libras, polegadas e jardas.

calendario3É o autor quem fala: “Afinal fomos nós os humanos que inventamos esta coisa que tanto é uma ferramenta milagrosa quanto uma gaiola de momentos finitos que nos mantém para sempre correndo por aí, tentando tirar o máximo do tempo curto que nos foi destinado.” A leitura deste livro é uma agradável aventura, que, afinal, vai fazer o nosso tempo passar mais rápido e preencher aquelas “horas vagas”, que ficam por ali nos espiando, insistindo sempre para serem preenchidas. Boa leitura.

O calendário bonitinho ao lado achei aqui.

Anúncios

Ações

Information

2 responses

13 07 2009
Ana Morena

Traz esse livre que eu quero ler! 😀

15 07 2009
Elcio

Clotilde, mesmo trabalhando, no mês de janeiro, a primeira coisa que eu faço ao chegar na casa de praia de papai é tirar o relógio, para ter a sensação de liberdade que o fato de “não ter hora” nos dá. Ajuda também não ter televisão, para não sabermos a hora da novela, do jornal, etc. É realmente fantástico não ter hora para nada!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: