Eu e meu duplo

27 10 2009

No tempo em que eu ainda estava na ativa como professora da UFRN, tirei três meses de licença prêmio, à qual eu tinha direito. Os colegas perguntavam: “E então, Clotilde, vai fazer o que com esses três meses de folga? Vai viajar? Vai aproveitar para escrever um livro?” e ficavam chocados quando eu respondia que não ia fazer nada, que ia ficar à toa, que tinha tirado a licença exatamente para isso. “Mas fazer nada como?” perguntavam, como se tivessem esquecido do supremo deleite que é ficar estirada na rede branca armada na varanda, empurrando de leve o pé na parede para desfrutar do balanço suave e do rangido do armador.

Essa incapacidade de relaxar, de entregar-se ao ócio, é uma constante nesses tempos turbulentos e apressados em que vivemos. O cotidiano assume uma velocidade, uma intensidade, uma concentração tal que fica difícil desligar-se disso nos momentos de lazer. Então, para acompanhar o ritmo, busca-se também diversões agitadas, velozes, barulhentas e concentradas. Não se admite mais um lazer onde não haja barulho, agitação e movimento.

Além disso, é importante mostrar-se ativo, sociável, extrovertido. Olha-se com desconfiança as pessoas contemplativas, que amam a solidão, o sossego, o silêncio. Um sujeito que passa o fim de semana lendo em vez de sair para a balada, principalmente se é jovem, é olhado com estranheza pelo grupo, e os amigos dizem: “Precisamos arrancar Fulano de casa, do meio desses livros, e levá-lo para se divertir”, como se os livros não fossem uma diversão tão aceitável como qualquer outra.

Na verdade, as diversões desses dias de hoje são cada vez mais desgastantes pelo tempo que perdemos tentando nos divertir, ou lutando para chegar no local da diversão. São horas perdidas em filas para comprar ingressos, em congestionamentos no caminho para a praia ou enquanto aguardamos uma mesa no nosso restaurante predileto. A diversão termina sendo mais cansativa do que o trabalho, mas é preciso se divertir, é preciso freqüentar, é preciso aparecer nos lugares, é preciso dançar a noite inteira, é preciso ir ao restaurante da moda, à buate do momento. É preciso manter a fama de ativo, participante, sociável.

Ah, meu caro leitor, ficar sozinho exige competência. Dedicar o fim-de-semana a arrumar os armários exige coragem. Entregar-se à leitura, à contemplação, enquanto todos estão na praia ou na balada, exige um espírito forte, disposto a enfrentar críticas de todo tipo. Finalmente, ficar à toa, sem fazer nada, simplesmente, é um suicídio social.

Esquecem-se os baladeiros de que é nos momentos de solidão que pensamos, criamos, questionamos. É nesses momentos que acontece o encontro mais importante, o encontro da gente com a gente mesmo, com o nosso duplo, que nos observa do fundo do espelho, que tem coisas para nos dizer mas precisa de silêncio e de calma para se expressar. Dessa conversa, sempre saímos mais fortes, mais calmos, mais vivos e criativos. Experimente. É um bom programa para qualquer fim de semana.


Ações

Information

7 responses

27 10 2009
Chico Moreira Guedes

Sábias palavras.
Quanto à história da licença, fico rindo sozinho porque é praticamente o enredo de um dos contos húngaros que vão entrar na antologia dos jovens autores. Chama-se “Pelo Avesso”, e fala da complicada operação a que uma jovem profissional tem que se submeter pra conseguir ficar alguns meses em casa sem fazer nada, sem telefone ou internet. A autora é a jovem jornalista e publicitária Kertész Anna (Ana Hortelão). bjs

27 10 2009
Clotilde Tavares

Pense numa coisa boa que é ficar em casa sem fazer nada, à toa…

27 10 2009
Twitter Trackbacks for Eu e meu duplo « Umas & Outras [clotildetavares.wordpress.com] on Topsy.com

[…] Eu e meu duplo « Umas & Outras clotildetavares.wordpress.com/2009/10/27/eu-e-meu-duplo – view page – cached No tempo em que eu ainda estava na ativa como professora da UFRN, tirei três meses de licença prêmio, à qual eu tinha direito. Os colegas perguntavam: “E então, Clotilde, vai fazer o que com… (Read more)No tempo em que eu ainda estava na ativa como professora da UFRN, tirei três meses de licença prêmio, à qual eu tinha direito. Os colegas perguntavam: “E então, Clotilde, vai fazer o que com esses três meses de folga? Vai viajar? Vai aproveitar para escrever um livro?” e ficavam chocados quando eu respondia que não ia fazer nada, que ia ficar à toa, que tinha tirado a licença exatamente para isso. “Mas fazer nada como?” perguntavam, como se tivessem esquecido do supremo deleite que é ficar estirada na rede branca armada na varanda, empurrando de leve o pé na parede para desfrutar do balanço suave e do rangido do armador. (Read less) — From the page […]

27 10 2009
Vivi

Q perfeito! Amo esses encontros comigo mesma…é tão real…é quando nos damos conta de nossa própria existência e das nossas atitudes e nos tornamos seres mais conscientes.
Parabéns pelo Blog, muito bonito..sempre q puder vou dar uma olhadela aqui…

Bjs

27 10 2009
Greicy

Oi Clotilde,
Tão bom poder curtir um dia ou mais sem ter horário, comer quando dá fome, dormir quando dá sono!!!
E realmente as pessoas esqueceram o quanto é bom, importante e vital para a alma poder se dedicar exclusivamente para não fazer nada … se bem que ler um bom livro, não é não fazer nada …
Mais uma vez adorei seu artigo!
Beijão,
Greicy

28 10 2009
Araceli Sobreira Benevides

Olá, Clotilde,

Seu texto aponta para o que vivo agora, neste exato momento: estou saindo de licença (6 meses!!!!) após vinte anos de muita labuta (sou professora). A única vontade que tenho é a de não fazer nada, nadinha mesmo…apesar de ser terrivelmente irrequieta, viciada em livros e no trabalho…se conseguir ficar à toa, será a primeira vez em toda minha vida. Ainda estou vivendo “em suspenso”, pendurada na dúvida: se corro, se caminho, se escrevo, se durmo…mas já consegui ver alguns filmes e a dormir na paz de uma rede na varanda. Adorei a leitura e o prazer de conhecer seu blog.

abraço

28 10 2009
Clotilde Tavares

Faz nada não, Araceli. Fica somente na rede se balançando e fiscalizando a natureza… Bom que só!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: