Haja paciência!

18 02 2010

Você deve ter notado que meu ritmo de postar todo dia anda meio atropelado: tem dia que posto, tem dia que não posto.

Não é culpa minha, meu caro leitor. Não sei o que está havendo mas tem dias que eu simplesmente não consigo abrir o blog para postar. Não sei se o problema é do WordPress, onde este blog está alojado, ou do meu computador. Abro tudo normalmente, menos este maldito blog no qual me propus a postar todo dia.

Para a pessoa quase-meio-um-pouco obsessiva que sou, isso tem sido uma tortura. Vem a vontade de escrever, e a máquina não corresponde. Mais tarde, quando abre, eu já estou cansada, enjoada, impaciente, e blogar não é só escrever: tem que procurar as fotos, que incluir no post, e para tudo isso é preciso uma disponibilidade que eu não tenho toda hora.

Este texto, que escrevi ás nove da manhã, só está sendo postador agora, às 14h40.

Então mais uma vez me perdoe se você vem aqui e não tem coisa nova. Há um pessoal cuidando de resolver esse problema, mas ainda não resolveram.

Eu estou tendo paciência.

Peço também a sua.





Caia na gandaia!

16 02 2010

No Brasil é assim: não importa em que mês caia o Carnaval, se é em fevereiro, ou se é em março, a vida nacional só engrena, só pega ritmo depois que passa o chamado “reinado de Momo”. Até terminar esses três dias, que viraram quatro, depois cinco e que já são bem uns dez em lugares como Olinda ou a Bahia, o brasileiro fica por ali, se escorando, empurrando com a barriga, sem querer iniciar nada novo, sempre deixando “para depois do Carnaval”.

Até eu descolei nesse Carnaval!

Se o meu caro leitor acha isso “o fim”, e diz sempre que “é por isso que esse país não sai das dificuldades”, fique sabendo que o Carnaval é uma festa muito antiga, uma tradição pré-cristã, onde as pessoas literalmente caíam na gandaia e que tinha como objetivo liberar as tensões, relaxar da crueldade e das obrigações do dia-a-dia, beber e farrear. Uma das coisas mais importantes desses festejos era a verdadeira inversão de valores, onde tudo aquilo que era errado e inaceitável nos demais dias, tornava-se permitido e aceito nos dias de Carnaval. A quebra da hierarquia era uma dessas características, com empregados faltando às suas obrigações, mulheres casadas caindo na farra, filósofos e pensadores bêbados como qualquer escravo e homens vestidos de mulher. A festa servia como válvula de escape para as sociedades que disso precisavam para se manterem saudáveis, como qualquer ser humano precisa de vez em quando dar uns gritos e sair do sério para liberar as tensões.

Então, como o leitor já deve ter percebido, tudo isso continua valendo. No Carnaval ninguém quer trabalhar, a empregada sai na sexta de noite e só volta na quinta-feira seguinte, o professor universitário se veste de papangu, as crianças molham os transeuntes com suas bisnagas de plásticos cheias de água, as mulheres avançam no terreno da ousadia e o comerciante respeitável pega o vestido da esposa, arranja duas quengas de coco para fazer os peitos e sai pela rua vestido de mulher.

A favorita de Zeus!

A favorita de Zeus!

Nesse período vale tudo, e é por isso que ele se chama “carnaval” que vem de “carne vale”, termo inventado pela igreja cristã do primeiros séculos quando começou a limitar e a censurar as Saturnálias, que eram o antigo nome do Carnaval e que duravam mais tempo. Aí, a igreja limitou a festança a poucos dias e como depois se seguia a Quaresma, onde não se podia comer carne, a festa passou a ser chamada de “carne vale”, onde era permitido, entre outras, coisas comer carne.

Então é isso, caro leitor. É um período bom para exercitar o nosso lado lúdico, brincalhão, para que cada um de nós se permita ser algo diferente daquilo que somos todo dia. O Carnaval é um convite ao exercício da fantasia, da liberdade, da imaginação.

Eu podia até dizer aqui que, como já é terça-feira, o carnaval está quase terminando. Mas como todo mundo sabe que há lugares onde se brinca por vários dias ainda além dos três dias regulamentares, eu reforço que ainda é tempo.

Gipsy, a cigana desbocada e politicamente incorreta, meu alter-ego.

Se você ainda não fez nada, vista um personagem. Transforme-se por algumas horas em outra pessoa, abra mão dessa personalidade que muitas vezes lhe pesa tanto e através da qual tantas cobranças lhe são feitas. Deixe de ser, apenas por momentos o pai cuidadoso, a mãe extremosa, o cidadão respeitável, o empregado pau-pra-toda-obra, a esposa cumpridora das obrigações, o estudante aplicado, o empresário viciado em trabalho, o operário explorado, a faxineira que trabalha sete dias na semana.

Esqueça a tristeza, a mágoa, a responsabilidade, a raiva, o cansaço, a desesperança e caia na farra. Vista o seu personagem: mulher fatal, de vestido vermelho e decotado, com longa piteira; o palhaço desbocado e inconveniente; o cachorro louco, latindo e correndo atrás dos outros; o pirata, de tapa-olho, espada e lenço vermelho; a cigana, a ler a mão dos transeuntes; a odalisca, sensual e bela; o rei de nenhum reinado, majestoso com sua coroa de lata.

Depois, é dormir um bom sono, curtir a ressaca e empreender, a partir da quinta-feira, as tarefas deste novo ano que só se inicia, de verdade, depois que passa o Carnaval.





Três histórias engraçadas

7 02 2010

QUESTÃO DE AUTORIDADE

O gerente chama o empregado da área de produção, tipo armário quatro portas, com 1,90 de altura, recém-admitido e inicia o diálogo:

– Qual é o seu nome?

– João – responde o grandalhão.

– Olhe – explica o gerente – eu não sei em que espelunca você trabalhou antes, mas aqui nós não chamamos as pessoas pelo seu primeiro nome. É muito familiar e pode levar a perda de autoridade. Eu só chamo meus funcionários pelo sobrenome: Ribeiro, Matos, Souza, etc, entendeu? E quero que o senhor me chame de Sr. Mendonça. Muito bem, agora quero saber: qual é o seu nome completo?

O empregado responde:

– Meu nome é João Paixão.

– Tá certo, João. Pode ir, agora.

MAU MOTORISTA

Um velhinho jantava em um restaurante de beira de estrada quando entram três motoqueiros da pesada. O primeiro chega e cospe no bife dele. Mais encorajado, o segundo apaga um cigarro na bebida do velhinho. Por último, o terceiro motoqueiro, sem ter mais o que fazer, vira o prato na cabeça dele. O velhinho pede mais uma bebida e então sai. Nisso um dos motoqueiros exclama:

– Este sujeito não é homem!

O garçom responde:

– Nem é motorista, também. Acabou de passar com um caminhão por cima de três motos…

O BATISMO

O discípulo procura um mestre para iniciá-lo no caminho esotérico. O mestre propõe a iniciação num ritual à margem do rio. Lá, mergulha o discípulo na água, e lhe diz:

– De agora em diante não mais te chamarás Luiz: te chamarás Pietrie. Não comerás mais carne animal, não beberás mais nada que contenha álcool, não fumarás, e nem usarás nenhuma droga. Tua alimentação será vegetariana, podendo eventualmente comer peixes.

Alguns dias depois o discípulo é encontrado à margem do rio, mergulhando um porco na água, e dizendo:

– De agora em diante, não te chamarás mais porco, teu nome será peixe…





Recebi pelo Twitter

26 01 2010

Na impossibilidade absoluta de escrever, em plena crise de criatividade, só me resta repassar o melhor dos links que recebi pelo Twitter nos últimos dias.

A maior palavra cruzada do mundo

Lindos cases para seus objetos

Ivana Arruda Leite, escritora maravilhosa

Começaram a prender as blogueiras!

Turistas retidos em Machu Pichu

Artigo de Chico Guedes na Revista Catorze

Filmes com claque e sem claque

Bairro chique no Haiti escapa da destruição

e finalmente esse video do YouTube que mostra uma linha do tempo com a decadência dos grandes impérios.





O Haiti no meu coração

15 01 2010

Não consigo tirar da minha cabeça o que está acontecendo no Haiti. Ontem à noite, depois que vi os noticiários na TV, meu coração ficou pesado, meus olhos túmidos e a garganta grossa: como ter apetite para encarar o jantarzinho caseiro que estava pronto quando as imagens da TV me mostravam o indescritível: crianças famintas e feridas vagando pelas ruas, mortos abandonados à putrefação na margem das avenidas, pessoas disputando um copo de água na tapa, e o sofrimento, a miséria, a sensação de perda, de desenraizamento, de completa e total incapacidade de superar o caos ao redor.

O problema atual do Haiti é puramente de logística: como organizar o socorro, a alimentação, a segurança, a volta do fornecimento de serviços básicos, se toda a estrutura que havia foi arrasada? E ainda é preciso aturar insanos como um pastor evangélico norte-americano, Pat Robertson, que diz que o que aconteceu ali foi porque o país fez um pacto com o Diabo!

Ou então o cônsul do Haiti no Brasil, George Samuel Antoine que, sem saber que estava sendo gravado, afirmou ao que a tragédia causada pelo terremoto que atingiu o Haiti está sendo boa, pois traz visibilidade ao consulado.

Braulio Tavares, na sua coluna de hoje no Jornal da Paraíba, fala sobre o lento terremoto de exploração e desmandos que afeta o Haiti há 200 anos; e muito outros profissionais- cientistas, filósfos, analistas políticos e econômicos, jornalistas – muitos outros discutem e buscam explicações.

Eu não. Eu simplesmente fico triste, choro, perco o apetite. Daqui, do meu canto, nada posso fazer. Já sou muito velha para pegar um avião e ir até lá ajudar. Não me sinto disposta fisicamente para tanto. E tenho medo, minha gente. Sou medrosa. Tenho medo de morrer longe de casa. Sou humana, sou frouxa, sou covarde. Sinto tudo isso quando vejo o medo, a tristeza e o sofrimento que pulsa no coração de parte da Humanidade, Humanidade essa que também é a minha Humanidade.

Nós somos um, e um de nós – um não, muitos – sofrem e sentem fome e medo.

Eu sinto também.





“Triste do país que precisa de heróis”

7 01 2010

Vejo na TV que um menino encontrou uma bolsa, cheia de objetos de valor: relógio, MP3, jóias – e em vez de ficar com tudo devolveu ao dono. O garoto foi recompensado, virou matéria de TV, foi homenageado pelo prefeito da cidadezinha – que ficou muito bem na fita ao lado do garoto – e serviu de mote para as famosas exortações hipócritas nas quais a TV se esmera tanto: “Vejam que coisa linda! Um menino honesto! Filho de agricultores! Pobre de Jó! E devolveu a bolsa! Que coisa mais linda, e exemplar!” Tenho certeza de que domingo ele vai estar no Faustão, como exemplo de “história de vida”.

Minha gente! Ser honesto é obrigação. Ninguém deveria receber prêmio especial nem virar matéria em jornal nacional por achar e devolver um objeto que não lhe pertence. Ninguém deveria ser considerado herói por ser honesto. Talvez por enfrentar as chamas de um incêndio para salvar alguém desconhecido – porque se for filho ou parente é o que se espera, não? Ou por se atirar à água da enchente para resgatar pessoa que vai na enxurrada.

Eu não suporto a boa ação escancarada, para todo mundo ver. Não estou dizendo que o menino fez isso, mas aqueles que capitalizaram o gesto dele assim o fizeram. Para mim, a boa ação real é aquela que fazemos em silêncio, em segredo, onde muitas vezes nem o próprio beneficiado sabe. Mas essa boa ação oculta e secreta não satisfaz a vaidade daqueles que só vêem sentido em ser “bom” se puderem ostentar isso para os outros. E considero o escoteiro fardado atravessando a rua com a velhinha é a imagem perfeita e acabada da hiprocrisia, do “está-vendo-como-sou-bom-correto-honesto?”

É muito triste viver num país como esse, onde se rouba tanto e de tal forma escancarada que um gesto de honestidade é alçado ao nível de “grande gesto nacional”. “Triste de um país que precisa de heróis”, já dizia Brecht em uma das últimas falas da peça “Galileu Galilei”. E eu completo: triste de um país onde um gesto que deveria ser um comportamento natural de honestidade é alçado a gesto de heroísmo.





O mundo é colorido outra vez!

5 01 2010

Estou de volta. Finalmente hoje acordei sem aquela depressão natural que toda virose braba imprime no físico e que termina por se refletir no mental. Desde o dia 26 de dezembro que estou gripada, uma gripezinha, que começou leve, mas que no dia 30, dia em que desembarquei em Cabedelo de um cruzeiro que fiz pela costa nordestina, já chegava a me incomodar e foi o que me impediu de passar o reveillon com amigos em Tambaú, ao som do Buena Vista Social Clube.

Com tosse, espirrando, e o corpo que parecia ter sido passado num moedor de carne, me enfiei dentro de um táxi e vim direto pra Natal, ficar doente na minha cama e com minha filha me trazendo sopinha quente, chocolate, coca-zero e outros mimos.

Com esse tratamento, acrescido de antitérmicos, analgésicos e muito líquido, fui aos pouquinhos me recuperando e ontem o mundo começou a sair do estado preto-e-branco em que se encontrava, a adquirir algumas cores; os sons começaram a chegar mais suaves aos meus ouvidos e as idéias pareceram encontrar o trilho costumeiro e a forma correta de se expressarem.

Hoje, quase plenamente recuperada, estou de volta à blogosfera, troncha de saudade dos meus leitores e ainda sem saber direito com0 vou contar a vocês as novidades e os acontecimentos da minha primeira viagem de navio. Viagem é o modo de dizer, porque não fui para lugar algum: fiquei acima e abaixo pela costa nordestina, desfrutando da experiência de estar sobre as águas e já lhe adianto que não há coisa mais agradável do que dormir embalada pelas ondas. Parecia que eu era menina de novo, e que alguém me balançava a rede para que eu adormecesse…

Estou pensando em fazer um blog especial somente com essa experiência da viagem, porque esses cruzeiros estão cada vez mais acessíveis em termos de preço e muita gente como eu está querendo viajar e precisa de informações, que as companhias não dão direito e que eu mesma, bem-informada que sou, internauta experiente, tive dificuldades de obter.

Aguardo sugestões.