Consolar sempre

14 03 2010

Se você tem lido o meu blog já sabe que andei viajando por esse mundo afora, fazendo pesquisas e descobertas sobre a minha genealogia. Descobri tanta coisa nova e interessante que acho que vou dedicar todo esse primeiro semestre do ano somente a consolidar todos esses dados e colocar no ar, atualizando O Clã Santa Cruz: Genealogia e História.

Viajei para Pernambuco no dia 2 de março e pretendia estar de volta somente no dia 16, ou seja, na próxima terça-feira, mas tive que voltar quatro dias antes, porque me deu uma dor na coluna desgramada de doente, um dor tão mulestada dos cachorros que eu achei melhor antecipar meu vôo e vir ficar doente em Natal onde tenho os filhos para me paparicar.

Desci do avião, deixei a bagagem em casa e parti para o Pronto Socorro, com essa dor infeliz, lancinante, que não me deixava nem sentar, nem deitar, nem ficar de pé, nem nada. Entrar no carro foi um sacrifício, pois doía a cada movimento e isso mesmo porque eu já tinha tomado uma alta dose de analgésico para aguentar a viagem de avião.

Pois bem: lá, no Pronto Socorro, um jovem médico me atendeu. Uns 25 a 30 anos, lindo, um rapaz lindo, e mais lindo ainda no seu jaleco branco, figurino que está na moda e na fantasia dos brasileiros por obra e graça da novela das oito, com seu galã médico e seus colegas igualmente médicos e bonitões.

Mas o que esse rapaz que me atendeu tinha de beleza, tinha de antipatia. Não fez contato visual comigo na maior parte da consulta, e durante o tempo em que me olhou, encarou-me com enfado, impaciência e pouco caso. Desconsiderou minha descrição do que eu sentia – ora, quem melhor do que eu sabe o que estou sentindo? – fez um exame físico superficial e prescreveu um analgésico potente – esse sim, fez efeito! – entregando-me ao enfermeiro para aplicar o soro. Tenho certeza de que se esqueceu de mim no mesmo instante.

Não sei se você que me lê agora sabe disso, mas também sou formada em Medicina, tendo praticado durante 20 anos. Trabalhei muito em Pronto Socorro, atendendo o ser humano nas suas horas mais extremas, mais dolorosas, em que estavam mais fragilizados, quando chegavam poli-traumatizados, baleados, esfaqueados, em choque anafilático, envenenados ou em overdose de álcool e outras drogas, enfartados, desidratados, gritando com cólica renal, vomitando ou em choque por abdome agudo, em estado de mal asmático ou de mal epiléptico, ou, como cheguei ontem na urgência, tronchos e desesperados por uma dor na coluna.

Nos Postos de Saúde da Família a minha prática era com Pediatria, Puericultura e Pré-Natal. As mães que ali acorriam, de baixa renda, traziam seus filhos com diarréia e desidratação, bronquite, pneumonia, parasitoses, e a doença de todos: a fome, a desnutrição.

Hipócrates

Com todos esses meus diversificados pacientes, ao longo desses vinte anos de Prática Médica, tive sempre como base o aforisma de Hipócrates, que aprendi dos meus mestres na Faculdade de Medicina da UFRN:

… Curar algumas vezes, aliviar muitas vezes e consolar sempre.

Tenho a consciência do meu dever cumprido durante o tempo em que pratiquei a Medicina. Nunca me deixei levar pela vaidade, achando que curava. Sempre acreditei o que paciente ele mesmo se cura, mobilizando suas forças interiores, muitas vezes sem ajuda do médico; aliviei sempre que pude e nunca nunca nunca deixei ir embora qualquer paciente sem o consolo, sem a escuta atenta das suas pequenas ou grandes queixas, sem o olhar compreensivo e o gesto de carinho que eu traduzia nos diagramas que fazia para explicar-lhes suas doenças ou nas receitas com letra redonda e bem legível para as minhas pacientes da favela, que mal sabiam ler.

Nunca deixei que meu cansaço, meus problemas pessoais ou qualquer outro tipo de interferência prejudicasse o contato com aquele que, em sofrimento, me procurava.

Hoje sou escritora, pesquisadora, fiscal da Natureza, ou como queiram chamar a minha vida de aposentada. Não sou mais Médica, uma vez que não pratico mais. Mas já fui, Médica, com “M” maiúsculo. Já o profissional que me atendeu, pode até ter o diploma pendurado na parede, mas, para se tornar Médico ainda precisa aprender muita coisa.

Não cito nome do profissional nem o hospital onde ocorreu o atendimento. Por muito menos do que isso, outros blogueiros estão sendo processados.Também não reproduzirei nos comentários que porventura aqui chegarem nomes de profissionais ou instituições. Isso também tem gerado processos para os blogueiros, mesmo sendo os comentários assinados por outras pessoas.

Estou melhor da dor. Nesta segunda-feira, saio em busca de um Reumatologista. Desejem-me sorte.

Anúncios




O fim do mundo

11 03 2010

Estou no Recife, meu caro leitor. E toda vez que entro em um táxi, e falo que moro em Natal, o motorista me pergunta se na capital do Rio Grande do Norte também está quente assim. E eu respondo que sim, que está quente em todo lugar. Sol escaldante, asfalto abrasador, brisa – quando tem – fervente, um verdadeiro forno de microondas é no que se transformou o mundo nesses últimos dias.

Imagine você que eu andei no Agreste de Pernambuco na semana passada, mais precisamente em Garanhuns; e em Garanhuns, na chamada Suíça Nordestina, famosa por suas temperaturas amenas, o termômetro andou marcando 33 graus centígrados. De noite, ainda aparece aquela aragem fresca e a gente pensa que finalmente vamos ter um refresco, e que Deus finalmente ligou o ar condicionado central: ledo engano. As madrugadas são quentes, e a gente acorda banhado em suor, se abanando, em busca dos ventiladores e das janelas abertas.

No Recife o povo está com medo dos terremotos, porque tremores abalaram a região de São Caetano, Caruaru e municípios próximos. É muita gente falando em vender o que tem e se mudar para algum lugar mais seguro, onde o chão não se abale com qualquer besteira. Na capital pernambucana ainda reina o medo do tsunami, pois algumas áreas da cidade se encontram abaixo do nível do mar, é o que dizem todos.

Eu só sei que estou com um medo danado do fim do mundo. É terremoto, é maremoto, é enchente, é tsunami… Já pensei até em me mudar para o interior, para o cocoruto de uma serra qualquer, lá nas quebradas do Cariri Paraibano, perto de Coxixola, terra dos meus ancestrais. De lá de cima eu veria a grande onda chegar trazendo finalmente a praia para Campina Grande mesmo à custa de muita destruição e vidas perdidas.

Mas não vou não. Não vou não porque meus filhos, meus netos e meus amigos não querem ir junto comigo. E de que adianta ficar sã e salva em cima de uma serra mas sozinha, sem ter junto de mim as pessoas que eu amo?

Vou ficar na cidade mesmo, para o que der e vier, Para a vida ou para a morte, para o tsunami e o terremoto. Vou ficar onde estou e estive sempre, com os meus, vendo o Sol nascer e se por, e depois a Lua, vendo o vento balançar a folha da palmeira e as primeiras estrelas surgirem quando a noite chega. E se o fim do mundo vier, pode vir, que já estou em paz, satisfeita, e já fiz na minha vida tudo o que quis fazer.





História de cangaceiros

7 03 2010

Vicente Lucas se preparava para descarregar a mercadoria dos jumentos em frente ao armazém. A mulher, Josepha, em estado adiantado de gravidez, viu ao longe uma tropa de homens fortemente armados, que se aproximavam.

– Olha, Vicente, quanto soldado!

– Larga de ser tola, Zefinha! – disse o marido. – O que é que os soldados vinham fazer num fim de mundo desses?

Mas era Lampião e seu bando. Cangaceiros e volante em nada se distinguiam uns dos outros, nem nas roupas, nem nos armamentos e muito menos na ferocidade. E de repente estavam todos dentro da casa de comércio, de onde passaram à residência, contígua ao armazém.

Com a coronha dos rifles arrombavam portas, quebravam tudo, procurando dinheiro e jóias.

A mulher gritava enquanto o marido era espancado pelos cangaceiros para revelar o esconderijo dos bens. No oratório, dentro de uma lata vazia de doce, os trancelins e anéis de Josepha foram logo encontrados. Os bandidos queriam mais e continuaram o espancamento.

Vendo o marido mergulhado numa poça de sangue, ainda apanhando, Josepha só pensava nos filhos pequenos que, à aproximação do bando, haviam fugido pelos fundos da casa mergulhando nos matos, onde o menino Gerson, de poucos anos, só não morreu de sede porque foi alimentado pelos irmãos com água de raiz de umbuzeiro.

Depois de depredarem tudo, com Vicente já morto, um dos cangaceiros atirou em Josepha, que lhe pedia pelo amor de Deus que tivesse pena dela, que pensasse na criança que estava para nascer.

– Bandida! Cachorra! – vociferou o animal, disparando-lhe um tiro de rifle.

Errou o tiro. A bala alojou-se no bauzinho de couro onde estava guardado o enxoval da pequena Angelita, nascida meses depois, e falecida ainda muito novinha.

Entre risadas, com os embornais repletos do saque, os bandidos se prepararam para deixar o local. Um menino adotivo, cria da casa, foi amarrado à cauda da montaria de um deles por uma peça de tecido retirada do armazém e arrastado por algumas centenas de metros onde foi deixado, semimorto, à beira da estrada.

Tudo isso se passou em 1924, aqui neste Agreste pernambucano, e me foi contado hoje por Didi, minha prima, neta de Josepha e de Vicente.

Páginas do passado, heróicas, tristes, e verdadeiras.





Beleza em estado puro

6 03 2010

É tão lindo esse país, meu caro leitor!

Eu sou uma apaixonada por essa terra e considero que não é preciso ir aos pontos turísticos para ver grandes belezas. Sou uma apaixonada da beleza singela das regiões interioranas, com suas cidadezinhas pequenas e esquecidas pelo tempo aparecendo a cada 20 ou 30 km, com a igreja no centro, os prédios e casas antigas ao redor, em volta da pracinha, e um pouco mais longe, em linha reta, a estação de trem. Num alto próximo, o pequeno cemitério, com suas construções brancas e azul claras, “que duram até o juízo final” como está lá no Hamlet, Ato V, Cena 1.

A topografia do Agreste de Pernambuco, por onde tenho andado nestes dias, mostra morros suaves e arredondados, céu de lápis-lazúli, verdes de todas as cores de verde que você possa imaginar, visões bucólicas que lembram a Toscana italiana, com panoramas que mudam e fascinam a cada volta da estrada.

Uma coisa tão bonitinha que só vendo.

Por isso, lhe deixo com as imagens.

Lago com direito a patos,

Paisagem de lago com patinhos.

Força viva que brota da terra e se estende para o alto.

Morros verdinhos e macios, que dá vontade de passar a mão...

A esperança, que sempre está comigo e que também me acompanhou nesta viagem.





On the road

4 03 2010

Pense num calor escaldante, sol abrasador, estradas medievais serpenteando entre morros onde só passa um carro de cada vez, natureza deslumbrante em seus milhares de verdes diferentes um do outro, a cada curva uma paisagem mais linda do que a outra.

É o Agreste de Pernambuco, através do qual rodei hoje uns 200 quilômetros, indo de Angelim a Viçosa das Alagoas, passando por Palmeirinha, Correntes e Poço Comprido. E depois voltando para Angelim, morta de calor e fome, às três horas da tarde, com o corpo desconjuntado de sacolejar na buraqueira. E feliz, absolutamente feliz.

Em busca de gente que já virou pó há muito tempo, não encontrei mais nada, nem as catacumbas – é, meus amigos, boa parte do meu dia foi passado nos cemitérios dessas cidades, encarnando a minha personagem preferida: a Caçadora do Túmulo Perdido.

Isso me levou a sérias reflexões. Os casarões e palacetes que esse povo habitou não mais existem; nem o pó dos ossos existe mais. O que sobrou? O registro escrito de suas palavras e obras. É isso que é eterno.

E com isso e algumas imagens, me despeço por hoje.

Viçosa das Alagoas. Destaca-se a torre azulzinha da igreja. Ao lado o rio Paraíba no seu leito pedregoso.

Igreja de Correntes, em Pernambuco.





Sangue do meu sangue, eu mesma

3 03 2010

Ontem andei aqui falando que estou viajando, realizando uma pesquisa de genealogia, pesquisando meus antepassados, no desejo de saber quem são, de onde vieram, o que faziam.

Batistério de Cleuza, minha mãe. 1921.

Descobri que a genealogia é também uma ocupação muito saudável para as damas aposentadas feito eu, que perderam o gosto pela farra e pela esbórnia (talvez em virtude dos excessos que já praticaram) e que não tendo mais maridos, filhos, cargos e empregos para se dedicar, procuram algo para encher o tempo.

A genealogia tem me levado a viajar, conhecer pessoas, encontrar parentes que eu nem sabia que existiam.

O curioso é que quando eu digo às pessoas que estou procurando meus antepassados, logo perguntam se encontrei algum conde ou barão; ou se sou descendente de algum nobre florentino ou fidalgo espanhol. E quando eu digo que sou da família Santa Cruz querem logo saber se sou parente de um comediante que aparecia na TV fazendo pequenos papéis em programas cômicos. Mas é isso mesmo, vivemos numa sociedade onde o que vale é a fama e a notoriedade, mediadas pela TV.

Alguns dos meus antepassados, de sobrenome Salgado de Vasconcelos, foram agricultores e criadores de gado, mascates e tropeiros. Havia ainda os Santa Cruz, que eram bacharéis. fazendeiros e políticos, e um deles quase virou cangaceiro, à frente de um “exército” de cerca de 400 homens, somente porque se indispôs com os políticos que estavam no poder. Isso foi em 1912, em Monteiro/PB e a história é contada por Pedro Nunes no seu espetacular livro “Guerreiro Togado”. Uma versão resumida você pode ler aqui. Tudo isso é do lado da mminha mãe, onde ainda há ramos que não pesquisei como os Duarte, de Canhotinho/PE e os Ferreira, de Flores e Sertãnia, também em Pernambuco.

Os Tavares, do lado do meu pai, eram jornalistas, intelectuais, mas nenhum deles famoso: socialistas, viviam dando com os costados na cadeia sempre que havia uma escaramuça política qualquer.

Tenho muito orgulho do meu povo, e das histórias que descubro sobre eles. Mas ainda há muito o que pesquisar. Se você imaginar que temos dois pais, quatro avós, oito bisavós, dezesseis trisavós, trinta e dois tetravós e assim por diante, vai entender porque o assunto é tão apaixonante.

Eu consegui chegar modestamente a sete bisavós, quatro trisavós e dois tetravós; a caminhada apenas começou. Conseguir encontrar todos os trinta e dois tetravós é quase impossível, principalmente porque a maioria era gente pobre, modesta, sobre quem não ficou nada escrito. Mas a graça da aventura está exatamente aí.

O que sei é que todos vivem dentro de mim, impressos no meu DNA, e que sou essa amálgama de mascates, bacharéis, caboclos brabos, tropeiros, jornalistas, agricultores, fazendeiros, comunistas, sesmeiros, bandidos e coronéis. Sangue do meu sangue, eu mesma, Clotilde Santa Cruz Tavares.





Viajar é preciso

2 03 2010

Estou em viagem, meu caro leitor. Hoje, no início da tarde, parti para o Recife, onde estou agora; amanhã parto para o Agreste de Pernambuco, mais precisamente Garanhuns, Angelim, Correntes, Canhotinho e Viçosa – esta já em Alagoas – onde vou dar continuidade à pesquisa que já venho fazendo há tempos sobre os meus antepassados.

Oriundos da cidade de Correntes, os Santa Cruz se espalharam: um ramo para Monteiro-PB, de onde deu ramos para a Paraíba e Recife; outro ficou por lá mesmo Pernambuco e radicou-se na cidade de Angelim-PE onde trocou de sobrenome e deu origem aos inúmeros Salgado e Calado que de lá se espalharam pelo estado. Outro ramo ainda subiu ao Amazonas e de lá veio ao Rio de Janeiro; e mais um outro deixou descendentes ainda radicados em Pernambuco.

É em busca dessas origens que estou. É em busca das histórias desses homens e dessas mulheres que se radicaram naquelas terras de antanho, onde não havia nada, e do que construíram sobre aquele chão. Habitaram, casaram, tiveram filhos e netos, compraram, venderam, viveram. Eu quero saber que histórias foram essas.

Por isso, vai ter dias em que eu não vou responder nem emails nem comentários e não vou poder postar.

A história – o pedaço que já está escrito – você pode ler aqui.