Dia Mundial da Água

22 03 2010

Há alguns anos, escrevi um folheto de cordel para ser usado numa campanha da Secretaria de Recursos Hídricos do meu estado, o Rio Grande do Norte. A Secretaria Nacional gostou tanto que reconheceu a autoria – coisa que raramente se faz em peças publicitárias feitas de encomenda – e incluiu na sua biblioteca de publicações.
Hoje, comemorando o Dia Mundial da Água, divulgo aqui esse trabalho

A ÁGUA É UM BEM DE TODOS, por Clotilde Tavares

Peço à Musa da Poesia
Que me dê inspiração,
E a você, caro leitor,
Eu peço a sua atenção.
Escute bem o que eu digo
E depois responda, amigo,
Se não estou com a razão.

Vou lhe falar sobre a água,
Este líquido precioso,
Que nos dá saúde e vida,
Torna o mundo mais ditoso.
Mata a sede da criança
E recobre de esperança
O chão mais seco e terroso.

A água é o grande recurso
Da nossa Mãe Natureza.
Seu valor é inestimável,
Quem tem água, tem riqueza.
Tudo brota, tudo cresce,
Com ela a terra floresce
E se cobre de beleza.

A água serve pra tudo
Que você possa pensar.
Serve pra matar a sede,
Pra comida preparar.
Serve pra molhar as plantas,
Suas vantagens são tantas
Que ninguém pode negar.

Serve para tomar banho,
Pra lavar roupa também.
Com ela se lava a casa,
O paiol e o armazém.
Água fornece saúde,
E a limpeza é uma virtude
Que só traz o nosso bem.

Leia o restante aqui.

Anúncios




O barulho vem de jegue

21 07 2009

Ontem à noite estava eu muito bem sentada às nove da noite vendo minha série favorita na TV. Na segunda feira, vejo C.S.I às oito no AXN, Medium às 9 no Sony e The Mentalist às 10 no Warner. Então eram nove horas em ponto e o capítulo de Medium mal havia começado quando um barulho ensurdecedor começou na rua em frente ao meu prédio.

jegueFui olhar o que era. No meio da rua, dividindo a faixa com os carros, estava estacionada uma carroça, puxada por um animal. A carroça era toda ornamentada e portava um equipamento de som. O cavalo também estava vestido a caráter, enfeitado que só jumento de cigano. De pé, um homem enfeitadíssimo, com uma roupa cheia de lantejoulas que me pareceu aquelas coisas mexicanas: chapelão enorme, colete, calças justas, enfim, um “mariachi”. Pelo menos foi essa a visão que tive da minha varanda, no sexto andar.

O motivo da balbúrdia eu fui entendendo aos poucos. Alguém no prédio aniversariava – era um aniversário de casamento – e o “Tele-jegue”, que era o nome da “coisa”, estava ali, casamento3contratado por alguém, para fazer a homenagem ao casal. O “locutor” fazia piadas, sendo que eu jamais imaginei que um casal completando 35 anos de casados gostasse de ouvir piadas daquele tipo. As piadas eram entremeadas com músicas, que pareciam ser religiosas, desse tipo de música chata que as pessoas quando ouvem levantam os braços e balançam de um lado para outro. Na calçada, havia onze pessoas, incluindo o casal homenagado. O prédio tem 80 apartamentos; a quatro moradores cada, são 320 pessoas, das quais pelo menos trezentas aguentaram a barulheira sem terem nada com ela.

Entre uma música e uma piada, o “tele-jegueiro” anunciou que estava incrementando ainda mais a carroça, que em breve ela teria um palco, um sistema próprio de iluminação, máquina de fumaça e um som ainda mais potente “para animar ainda mais a sua festa”. A função durou 45 minutos, e eu perdi o episódio que estava assistindo na TV.

barulhoÉ por isso que eu, apesar de gostar muito do Brasil, às vezes tenho vontade de morar num país civilizado somente pra ter a experiência. Aquela coisa que a gente vê nos filmes: um barulhinho a mais numa vizinhança residencial, com cinco minutos a polícia está na porta, muito educada mas muito firme, pedindo explicações e acabando com o fuzuê. Aqui, liga-se para a polícia, não é com ela; liga-se para a SEMAN, estão sem carro para atender.

Ao feliz casal, mesmo deplorando seu mau-gosto, ou de quem lhes ofereceu o presente, meus parabéns pelos 35 anos de união. Falizmente no próximo ano, quando completarem os 36 anos,  eu não estarei mais aqui, para presenciar vexame semelhante e ser impedida no meu direito de cidadã pagante de impostos de assistir meu programa preferido na  TV.





Xixi no banho!

19 05 2009

Quando eu fazia mestrado e morava em Recife, em 1978, estava grávida da minha filha mais nova, que hoje tem 30 anos. Eu mesma tinha 31 anos na época. Moravam comigo uma amiga e minha irmã mais nova, ambas por volta dos 19 anos, que faziam faculdade e trabalhavam. Duas meninas lindas, namoradeiras, que sempre estavam às voltas com os rapazes.

save waterEntão eu, para brincar com elas, preguei no banheiro um cartaz que dizia: “Economize água. Tome banho com o seu namorado.” Era muito engraçado ver a cara dos rapazes quando viam o anúncio, mas no final todos aproveitavam e tomavam banho juntos. O problema é que às vezes a economia não funcionava, pois os banhos juntos demoravam muito mais do que dois banhos separados…

Naquela época não se falava ainda tanto de crise energética nem do esgotamento do suprimento de água do planeta. O meu pensamento de economia referia-se apenas à conta save water3da água, que eu geralmente pagava sozinha, pois as meninas eram jovens, estudantes, com empregos ainda precários e pelos dez anos de diferença, eu fazia mais ou menos o papel de “mãe” da duas. Foi uma boa época, da qual guardo carinhosas recordações.

Hoje, com a ameaça do esgotamento dos recursos naturais do planeta, as campanhas de economia de água, energia e outros recursos se sucedem, sobretudo essa muito curiosa, que está agora sendo divulgada pela Internet e que, por ter a ver com o que se passa dentro do banheiro, fez eu me lembrar da minha “campanha” de 30 anos atrás.

A campanha é Xixi no Banho e defende que, uma vez que 80% do gasto de água de uma casa é no banheiro, e que na privada se gasta mais do que no chuveiro, nada mais saudável para economizar água do que fazer xixi durante o banho.

A argumentação é que o xixi é composto por 95% de água, sendo o restante 5% apenas sais e amoníaco. Não é nojento, não transmite doenças, e a pessoa deve ter o cuidado apenas de fazer o xixi no ínicio do banho, para que a água possa realmente diluir o xixi e levá-lo para longe. A campanha é de uma organização chamada SOS Mata Atlântica, que anuncia um evento para o Ibirapuera, em São Paulo, o Viva a Mata, de 22 a 24 de maio próximo. O site é muito engraçadinho, cheio de animações e vai a pena dar uma olhada lá.

Antes que me esqueça, 75% dos internautas que o visitaram responderam à enquête dizendo que sim, que fazem xixi no banho. E você, faz?

Bem, mas o mundo está cheio de gente desocupada e sem noção, que não perde a oportunidade de tirar sarro dos outros. Então essas criaturas inventaram campanha semelhante, Cocô no Banho, onde defendem que o ato irá economizar papel higiênico e impedir que mais árvores sejam derrubadas. Segundo os idealizadores, cada pessoa gasta por ano 864 metros de papel higiênico que seriam economizados se o freguês optasse por fazer cocô no banho.

O site é engraçadíssimo e oferece ainda sugestões para resolver as mais variadas situações tipo “O que fazer se o cocô ficar preso no ralo” e outros que não me atrevo a mencionar. Faz propaganda do “xampum” Cocô no Banho e do Creme para Pentelhar. É a coisa mais engraçada que já li, e é tão bem feito que se alguém sem senso de humor ler os textos pensa que aquilo é sério e não uma imensa gozação.

É por isso que penso que o mundo tem jeito: primeiro porque há pessoas sérias preocupadas com ele; e segundo porque também ainda tem muita gente com senso de humor.

(Eca! Não achei nem como ilustrar esse post!)





Ecobags, ecochatos e baratas.

9 04 2009

825042Outro dia andei falando aqui sobre a questão da separação do lixo para reciclagem. É um problema sério, e os cidadãos e os governos ainda se debatem na busca de soluções sem conseguir encontrar a saída adequada para problema tão grave. Como componente desse lixo, há um item sobre o qual quero falar hoje com mais detalhe: é a sacola plástica.

Sim, ela mesma, essa sacolinha inocente que você recebe de todo comerciante, em qualquer lugar que comprar algo. Se você vai à farmácia e compra um envelope de qualquer comprimido, que tem aí uns 7 cm x 4 cm, 0 vendedor o coloca numa sacola plástica onde caberiam uns vinte iguais aquele. E por aí vai. lixo_cuiabahOntem fui à padaria da esquina. Comprei queijo fatiado, um “pastel-de-belém”, uma fatia de bolo e quatro pães. Cada um desses itens veio numa sacolinha de plástico individual, que por sua vez foram acomodadas, as quatro, numa maior. Cinco sacolas por uma comprinha boba. E isso é a regra geral no dia-a-dia das nossas cidades, sem falar nos supermercados onde, dependendo do tamanho da compra, são gastas dezenas de sacolas por consumidor.

A sacola plástica é fabricada com um derivado do petróleo, o polietileno. O Brasil produz cerca de 18 bilhões de sacolas por ano (esse dado é de 2007) e mais de 1 bilhão de sacolas são distribuídas todo mês pelos supermercados. Oitenta por cento delas – ou seja, 800 milhões – viram sacos de lixo doméstico e vão parar em aterros sanitários onde levarão cerca de 500 anos para se decompor.

earthPara produzir uma tonelada do material com que é feita a sacolinha, são necessários 1.140 kw/hora (esta energia daria para manter aproximadamente 7600 residências iluminadas com lâmpadas econômicas por 1 hora), sem contar a água utilizada no processo e os dejetos resultantes. Dez por cento do lixo é composto de sacolas plásticas, dos quais menos de 1% é reciclado, porque é mais caro reciclar um saco do que produzir um novo.

A solução? Ora, os estudos sobre um plástico biodegradável, apesar de defendidos por alguns, não convenceu a maioria da comunidade científica, que questiona se esse plástico se degrada mesmo ou apenas se subdivide em fragmentos minúsculos, que se disseminam com mais facilidade, poluindo ainda mais. No mundo inteiro, os governos já estão tomando medidas para evitar o desastre. Nos links que lhe apresento no final deste texto você vai ver muitas informações a respeito.

ecobags2 ecobag4 ecobag6

Mas ainda penso que a forma mais eficiente de resolver o problema parece ser conscientizar a população para o uso de sacolas de pano retornáveis – as “ecobags” – ao fazerem suas compras – como era antigamente. Lembro de Mamãe saindo de casa para o açougue ou a feirinha com sua velha sacola de lona listrada de vermelho e branco. Eu mesma tenho as minhas, e sempre as levo quando vou fazer supermercado. Tenho duas de lonasacola2 branca, com um belo desenho preto, brinde da Trama Virtual; e mais duas que comprei no Pão de Açúcar, a R$ 3,80 cada, com bichos da Mata Atlântica. Tenho ainda uma quinta sacola, de um material impermeável, comprada também no Pão de Açúcar, com uma linda estampa de maracujá, que uso para carregar as compras “molhadas” – carne, congelados, etc.

Acho muito chique, meu caro leitor. Tenho orgulho de sair do supermercado sem uma só sacolinha plástica. Quanto àquela minha ida à padaria, da qual falei no ínício, eu não contei o resto. Distraída, olhando o jornal em cima do balcão, não tinha visto o balconista arrumando minhas compras. Quando vi todo aquele exagero de plástico, pedi a ele uma sacola de papel – toda padaria tem – e rearrumei as coisas dentro dela.

Não é preciso fazer sermão, nem dizer “Estou salvando o planeta!” ou coisa parecida. Se fizer isso, você corre o risco de se tornar um “eco-chato” e dilui a força da única tecnologia ao alcance de todos nós que pode mudar o mundo: o exemplo.

Veja mais sobre o assunto, principalmente a nível mundial, aqui.

E em Belo Horizonte aqui.

Em João Pessoa aqui e aqui.

E mais aqui.

barata

E falou em lixo, aparece barata! Xô, barata! Xô! Alguém mate essa barata, pelamordedeus!





Você separa o seu lixo? Eu não…

30 03 2009
Eu moro aqui!

Eu moro aqui!

Enquanto todo mundo estava passeando ontem, no domingo, eu resolvi fazer uma faxina básica na casa. Ou melhor, no apartamento. Moro sozinha e procuro tomar conta de tudo sem empregada ou faxineira. É legal porque me mantenho ativa e desarrumo menos depois, sabendo que sou eu mesma que vou consertar a bagunça.

Aí sempre fico chateada na hora de colocar o lixo fora, porque não há coleta seletiva de lixo onde moro. Meu bairro é de classe média, o edificio em que moro é alinhado, mas o lixo vai para dentro dos tambores tudo misturado: vidro, papel, alumínio, plástico… Questionei o síndico sobre isso e ele me disse que tentou fazer uma vez uma separação do lixo, porque soube que havia um órgão da prefeitura que mandava apanhar o material para reciclagem. Ele fez uma campanha, sensibilizou os moradores mas ninguém veio buscar o lixo, apesar dos inúmeros telefonemas que ele deu lá para o tal setor. Foram se acumulando na garagem do prédio os recipientes com papel, vidro, plástico, exalando mau cheiro, atraindo insetos, até que a situação, insuportável, foi resolvida pelo síndico com a contratação de um caminhão, pago pelo condomínio, para se livrar do lixo.

E tudo voltou a ser como antes. E é de fazer dó ver o caminhão do lixo levar, três vezes por semana, doze a quinze lixaotonéis de lixo, tudo misturado.

Você pode até dizer que eu poderia separar o MEU lixo e ir entregar em algum lugar, no estacionamento do Pão de Açúcar, por exemplo, onde há grandes recipientes para receber o lixo separado.

Mas eu pergunto: e quando eu me arrumar toda pra sair, vou ter que descer no elevador carregando os sacos de lixo? E enquanto isso o lixo fica acumulado dentro do apartamento juntando baratas? Eu simplesmente o-d-e-i-o baratas! E tudo isso para suprir uma deficiência do poder público que era quem deveria instituir e manter a coleta seletiva?

No bairro onde fica a minha casa, Capim Macio, em Natal, havia uma coleta seletiva que funcionava muito bem. Não sei se continua. Mas aqui na capital parahybana, pelo menos na minha vizinhança, a coisa ainda é muito, muito precária no que se refere a esse tipo de prática.

Fica o recado a quem interessar possa.

°°°°°°°°°°

MANTER O PADRÃO

Quando o camarada monta um negócio para oferecer um serviço ao público, ele precisa manter o padrão desse serviço. Qualquer modificação só é permitida no sentido de melhorar, nunca de piorar a qualidade.

jantarDigo isso porque faz uns dias elogiei pelos jornais o restaurante Terraço Brasil, do qual gosto muito, e nessa semana que passou, mais precisamente na quarta-feira dia 25, fui lá com uma amiga para o jantar. Meu objeto de desejo era um prato que consta do cardápio,uma delícia: carne-de-sol com purê de macaxeira e jerimum. O prato é servido com uma porção de carne-de-sol desfiada e deliciosamente crocante, ladeada pelo purê de jerimum tornado irresistível por um toque de canela e outras especiarias, e o purê de macaxeira tradicional. Pelo menos foi assim que degustei esse prato no mês de janeiro.

Cruel decepção, meu caro leitor. A maravilha culinária estava completamente desvirtuada. A carne estava encharcada de óleo, o purê de jerimum só tinha gosto de água e sal, sem as especiarias, e o purê de macaxeira estava azedo, incomestível.

Não reclamei não. Penso que não adianta fazer isso lá, na hora, porque mesmo que o garçon me trouxesse outro prato, eu já havia perdido o apetite. Faço aqui o registro para chamar a atenção da necessidade se manter o padrão em tudo o que faz. Se não for assim, a capital parahybana pode enterrar em cova profunda suas pretensões à ampliação do turismo.

Vou continuar indo lá, porque gosto do lugar. Mas nunca mais arriscarei qualquer pedido. Fico na Coca Zero: é mais seguro.

°°°°°°°°°°

Trompetista - São João do Cariri/PB (Foto Umas&Outras)

Trompetista - São João do Cariri/PB (Foto Umas&Outras)