A divina Sarah

27 12 2009

Para os fãs do teatro, o nome de Sarah Bernhardt sempre soa envolto em uma aura quase divina. Esta atriz foi um ídolo mundial na sua época, e encarnava aquele ideal de diva, de deusa, de femme fatale, de pessoa cujo talento ficava acima da linha da normalidade.

Nascida em Paris em 1844, dominou os palcos da Europa e logo em seguida sua fama ganhou o mundo. Além de atriz, foi cortesã famosa tendo aos seus pés desde intelectuais de renome até cabeças coroadas. Na época, o limite que separava as duas atividades quando se tratava de mulheres era bem tênue, e Sarah, sem querer a principio assumir o papel de mulher galante para o qual havia sido empurrada por sua mãe, terminou por encarná-lo e e seus amores e aventuras ficaram famosos, suas peripécias corriam o mundo.

Oscar Wilde escreveu Salomé para ela; teve casos com Gustave Doré, Georges Clarin, , os atores Jean Mounet Sully e Lou Tellegen, e com o escritor Victor Hugo. Teve ainda um caso com a pintora Louise Abbema.

Foi casada com o ator Aristides Damala; o casamento durou pouco em si durou pouco e conta-se que, ainda casada com ele, Sarah teria se envolvido com o Príncipe de Gales, que posteriormente veio a se tornar o rei Eduardo VII da Inglaterra.

Chamavam-na “A Divina Sarah”. Excursionou pelo mundo quase todo com suas peças de teatro; além de atriz cuidava da sua companhia de teatro com grande tino empresarial e fez fortuna com seu trabalho. Seu papel mais marcante foi o da peça A Dama das Camélias, de Alexandre Dumas. Representou todo tipo de papel, incluindo Hamlet, de William Shakespeare.

Como Hamlet.

Em 1905, encenava La Tosca no Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Na cena final, ela se atirava do alto de um muro para a parte de trás do cenário, onde deveria cair em cima de colchões ali colocados. O contra-regra esqueceu de fazê-lo, e ela quebrou a perna, que não se recuperou, precisando ser amputada tempos depois. Mesmo assim, continuou representando, sentada em uma cadeira de rodas, aproveitando-se da sua presença magnética e da sua voz envolvente e cheia de nuances, que manteve-se incólume ao envelhecimento.

Em 1923, com quase 80 anos, estava rodando um filme quando desmaiou. Faleceu a 26 de março do mesmo ano, sob os cuidados do seu filho Maurice.

Um video do You Tube mostra a atriz em uma pequena cena; a interpretação é calcada no teatralismo, com largos gestos e gritos que nao se ouvem no video – o cinema ainda não tinha som.

Anúncios




Inventando histórias

24 10 2009

Trabalhando com teatro, uma das coisas que tenho que fazer de vez em quando é escrever textos que depois serão encenados por atores. Escrever é muito bom, é uma coisa que me dá muito prazer e quando se trata de uma tarefa específica como é o caso dessa as dificuldades que podem aparecer servem apenas como estímulo para tentar alcançar um resultado melhor.

Quando eu ainda ensinava teatro na UFRN muitas vezes inventava personagens a partir dos exercícios de trabalho de ator propostos aos alunos. E o engraçado é que esses personagens, criados pelos alunos/atores eram quase sempre reis, imperadores, sacerdotes, heróis, magos, princesas, governantes… Isso acontece, penso eu, porque projetamos nos personagens que criamos nosos sonhos, nossas expectativas, nossos desejos.

Uma coisa semelhante acontece no que se relaciona à chamada “terapia das vidas passadas”. Segundo alguns estudiosos, é possível acessar existências que já vivemos através de hipnose e outras técnicas. Eu não sei se isso é verdade ou não, e nem quero aqui discutir essa questão. O que quero dizer é, quando se trabalha com esse tipo de prática de uma forma que considero superficial, as pessoas sempre são, em vidas passadas, reis ou imperadores, nobres na corte francesa, sacerdotisas do templo de Ísis, guardiões do tesouro de Persépolis, altos dignatários, embaixadores, e por aí vai.

Aí eu pergunto: e as pessoas comuns? Nunca vi ninguém dizer que, numa vida passada, tenha sido servente de pedreiro ou lavrador. Nunca ouvi ninguém dizer que foi dona de casa ou uma simples costureira, apesar desse tipo de gente – as pessoas simples – representarem noventa e cinco por cento ou mais das pessoas existentes no mundo, em qualquer época que se considere.

Talvez se pense que a vida das pessoas comuns é destituída de atrativos, de aventura, de encanto, mas disso eu discordo. Eu, você, cada um de nós, por simples e comum que seja, tem suas histórias e aventuras para contar. Cada um de nós tem um repositório de histórias, emoções e vivências tão excitantes quanto a vida de qualquer rei, ou rainha. Concorda comigo?





Teatro versus cinema

10 07 2009

godotTeatro e cinema: duas artes distintas, tão parecidas e tão diferentes. Quando o cinema surgiu, nos finais do século XIX, dizia-se que seria o fim do teatro; mas a luz elétrica, que deu suporte ao nascimento do cinema, também tornou possível ao teatro entrar numa nova fase estética, onde a iluminação passou a constituir um elemento importante da cenografia, sendo usada para desenhar espaços, suscitar climas, criar atmosferas. O cinema não acabou com o teatro e e ambos continuaram crescendo juntos, usando os mesmos elementos mas com diferenças que parecem pequenas mas são muito, muito grandes.

O primeiro desses elementos comuns ao cinema e ao teatro é a interpretação, em que uma pessoa (o ator) se transforma em outra (o personagem); o primeiro empresta seu corpo, sua voz, sua energia viva para esse que é um dos mais espetaculares fenômenos que é dado a alguém presenciar: a metamorfose.  Do nada, usando apenas as palavras do texto e seu corpo, o ator cria um ser humano completamente diferente dele. Existe algo mais mágico, mais genial? Eu não conheço. Mas a interpretação é diferente para o cinema e para o teatro, e é por isso que grandes atores de cinema muitas vezes não se saem bem em frente às câmeras, e vice-versa.

clitemn_cassO texto teatral também é diferente do roteiro cinematográfico em tudo, uma vez que neste último é preciso ter uma série de indicações técnicas que vão servir de guia para a filmagem, para a operação das câmeras propriamente ditas. Eu mesma sei escrever peças de teatro, já escrevi muitas, a maioria delas encenadas por aí, mas não sei nem para onde vai a técnica de escrever roteiros para cinema e muitas vezes fica difícil explicar para alguém, que quer porque quer que eu escreva um roteiro. “Mas eu não sei”, digo eu. “E você não escreve peças?” diz o outro. Escrevo, mas é muito diferente.

stabanadaE quanto à maquilage, figurino, cenografia, a direção de arte como um todo, elementos também comuns às duas artes, é tudo muito muito diferente para o palco ou para a câmera. Só para tomar um elemento, o “close” do cinema é completamente impossível no teatro, onde nenhum espectador, pelo menos na maioria dos espetáculos, vê o ator da distância em que a câmera pega o ator de cinema. Também no cinema é permitido dar um leve suspiro, coisa que seria impossível no teatro. Os microfones sensibilíssimos do cinema captam qualquer tipo de ruído enquanto que no teatro, o ator pode até cochichar em cena mas tem de cochichar de forma a ser audível pelo menos até a fila “P”… (Aí ao lado uma foto histórica: Maria de Lia, Marcos Bulhões e esta que vos tecla, em 1991, na peça de Guto Greco “Papai Pirou nas Ondas do Rádio”. Ô saudade!)

barrymoreMuitas vezes não nos tocamos das especifidades dessas duas artes porque não paramos para pensar no making-off de cada uma delas. Para mim, teatro e cinema, quando se misturam, são sempre fonte de excitação e prazer estético. Há alguns filmes sobre teatro que eu acho fundamentais para quem quiser experimentar esse prazer e, de quebra, conhecer o fazer teatral um pouco mais a fundo. A televisão também faz isso. Nesta semana a Rede Globo estreou uma série em que pretende retratar os bastidores de uma montagem teatral. Não gostei das últimas séries apresentadas pela emissora (“A Pedra do Reino”, “Capitu”, “Queridos Amigos” e “Maysa”) e como pensei que provavelmente nao iria gostar dessa, me abstive de assistir, baseada também nos traillers que vi esses dias e na desvairada paixão que sinto pela obra de Shakespeare, que nos trailers me pareceu apenas servir de pano de fundo para mais uma bobagem global. Além disso, com essas minhas viagens entre Natal e João Pessoa nesta semana foi mesmo impossível.

tirosnabroadwayVoltando ao assunto, sugiro com ênfase dois filmes. O primeiro deles é um filme de Woody Allen “Tiros na Broadway” (Bullets Over Broadway, 1994). Um diretor de teatro resolve montar uma peça de sua autoria; recebe o patrocínio de um gangster, e em troca tem que aceitar a namorada loura e burra do bandido no elenco. Além disso, o guarda-costas da loura, que vai toda noite ao teatro para os ensaios, parece entender mais de teatro do que o autor. É muito engraçado e um dos filmes menos conhecidos de Woody Allen.

noisesoffO outro é um dos filmes de teatro que mais gosto: “Impróprio para Menores” (Noises off…,1992) dirigido por Peter Bogdanovich como o maravilhoso Michael Caine no papel principal. A expressão “noises off” significa algo como “sem barulho”, o que seria mais ou menos o desejo de todo diretor de teatro em relação à platéia. Mas o que você vai ver neste filme é exatamente o contrário. O diretor Lloyd Fellowes (Michael Caine) precisa estrear a peça no dia seguinte e os atores erram as falas a todo instante, saem para beber escondido, brigam nos bastidores, esquecem dos objetos de cena, tropeçam no cenário… Além disso, cada um desses atores vem de uma escola teatral diferente – um é stanislavskiano, outro vem da comédia – e isso atrasa e complica o ensaio, que vira uma loucura. O curioso é que o espectador – do filme, não da peça – tem o privilégio de vê-la duas vezes: uma do ponto de vista da platéia e outra depois, por trás, do ponto de vista dos bastidores.

Sempre levei esse filme para meus alunos de teatro assistirem. Era muito legal.

Então, aproveite.





O que é bonito…

1 07 2009

… é o que persegue o infinito.*

Hoje, imagens que me inspiram.

1. A atriz Sarah Bernhardt

sarah01


2. Uma cidade com planta em forma de estrela.

zamosc


3. Página de manuscrito medieval.

hours6


4. Salão que antecede o teatro do castelo da cidade medieval de Cesky-Krumlov, na república Theca, todo adornado com pinturas ilusionistas, no estilo barroco, sobre temas da commedia dell’arte.

1041b


5. Tela do artista plástico paraibano Sérgio Lucena.

sergioucena6657


6. As peças de William Shakespeare.

shake_fol4


7. Igrejas barrocas brasileiras. Essa é a Capela da Jaqueira, em Recife-PE.

capela da jaqueira


*A frase “O que é bonito é o que persegue o infinito” é de Braulio Tavares.





Chove chuva…

3 05 2009

E HAJA CHUVA

Neste domingo, é só chuva por todo o lado. Meu apartamento no sexto andar parece estar suspenso em meio à névoa, mas não é névoa, é chuva mesmo, muita água. No interior nordestino, está tudo verde, tudo molhado, tudo lindo. Também há enchentes, há gente desabrigada, e fico triste de ver que o que causa tanta alegria a uns é suficiente para destruir a vida de outros. O trovão ribomba, e eu sinto uma saudade danada do interior, de estar naqueles serras, naqueles grotões, vendo o mundo se acabar debaixo dágua. Nem mesmo eu entendo porque sinto isso, porque nunca vivi nesses lugares. Deve ser coisa do DNA sertanejo que herdei dos antepassados.

ISSO É QUE É AVENTURA!

Veja no video a rapaziada caminhando em cima do paredão do Açude Gargalheiras, um dos maiores do Rio Grande do Norte. Um escorregão, e lá se vai uma queda de 30 metros vertedouro abaixo.

AUGUSTO BOAL

Morreu Augusto Boal, um dos maiores nomes do teatro, estudado no mundo inteiro, mais lá fora do que no Brasil. Lembro-me de uma oficina que fiz com ele na década de 1990, em Natal, uma experiência inesquecível. Depois, fomos todos à Praia de Ponta Negra, ver a Lua Cheia, e ele parecia um menino, rindo com tudo, se divertindo com tudo. Fica o registro e a tristeza da perda, para o teatro e para o mundo.

OS BOLINHOS

Ontem de noite, chovendo, sem ter o que fazer, deu vontade de fazer bolinhos, logo eu, que não sou chegada às artes culinárias. Lembrei da infância, revi Tia Adiza fazendo o mesmo nas tarde de sábado em Campina Grande, resgatando todo o saber culinário do Cariri nas suas mãos de ouro, e botei a minha mão, mesmo trôpega e rudimentar,  na massa. O resultado está aí, e a receita a seguir.

bolinhos-1bolinhos-2bolinhos-4bolinhos-5

Ingredientes: 1 gema, 4 colheres de sopa de margarina, 3/4 xícara de açúcar, 1/2 xícara de farinha de trigo, 1 xícara de maizena. Numa tigela bata a gema, a manteiga e o açúcar, acrescente aos poucos a farinha de trigo e a maizena. Quando estiver meia dura, amasse bem com as mãos. Faça pequenas bolinhas, achatando-as com um garfo. Leve ao forno médio em assadeira untada, por 15 minutos ou até que começem a dourar.

Se até eu consegui fazer, você acerta.

Esse post é dedicado a Tia Adiza, sentada na nuvenzinha, cuidando dos anjos do céu.





O cachorro do vizinho

28 03 2009

cachorroLá vou eu de novo, meu caro leitor, na minha eterna e incessante luta contra o barulho urbano, praga maldita que inferniza a vida dos habitantes das cidades.

Na selva de pedra, uma das coisas que mais nos incomoda, moremos em casa ou apartamento, é o latido do cão do vizinho. Alguns condomínios proíbem cachorro, outros permitem cachorros pequenos – muitos deles com um grande latido – mas, moremos em apartamento ou casa nada nos defende dos latidos incessantes, dia e noite, de animais carentes, solitários, amarrados muito tempo, doentes, famintos, sedentos ou simplesmente neuróticos, porque os cães também estão adquirindo as mazelas do ser humano.

Mas seus problemas acabaram, meu amigo à beira de um ataque de nervos. Se o seu vizinho tem um cão que não lhe dá sossego, eu descobri na Internet um aparelho mágico, que faz o cachorro parar de latir. Chama-se “Inibidor de Latidos” e pode ser encontrado no site www.eurolocks.com.br

img4444É uma invenção genial. Parece uma caixa de som de 15cm x 8 cm. Você liga na tomada e pendura do lado de fora da janela, na direção dos latidos do cão. Quando os latidos superam um determinado nível, o aparelho inicia uma emissão ultrassônica por 10 a 15 segundos, que causa somente um pequeno desconforto no animal mas nada que o prejudique ou afete a sua saúde. O animal para imediatamente de latir. E o melhor: seu vizinho nem precisa saber. Essa maravilha custa apenas R$ 169,00 mais frete, em até três vezes no cartão; se você for ao exterior pode comprar por cerca de 60 dólares.

Eis o depoimento de um conhecido sobre o desempenho do aparelho: “A cadela da vizinha latia desesperadamente toda a noite. O aparelho foi pendurado na janela do quarto, do lado de fora. Assim que a cadela late o aparelho liga sozinho. Os latidos vão parando bem rápido pois a cada latido o aparelho liga e fica uns 30 segundos ligado. E o cachorro para de latir. O aparelho é muito bom e fácil de instalar. Basta deixá-lo na direção do cão.” E acrescenta, com uma pitada de maldade: “É muito engraçado você olhar o cachorro procurando a fonte do ruído.” Genial, não é mesmo?

CRUNCHING DOG

crunchingdog

Olhe que bonitinho! Achei aqui

°°°°°°°°°

COMO CRISTO NA CRUZ

assaltoLá estava eu no centro da cidade, sol a pino, calor abrasador, voltando de um reunião do Instituto de Genealogia. Um mulher emparelhou comigo. “Cuidado na bolsa”, disse ela. “Vinha dois caras ali atrás, colados com a senhora. Acho que eram ladrões.” Bem, eu ando agarrada com a minha bolsa, atracada, e não largo dela um instante. Agradeci e como já estava pertinho do estacionamento, entrei no carro e segui para o supermercado, onde ia fazer as compritchas da semana. Chegando lá, ao entrar no banheiro para me arrumar um pouco, qual não foi a minha surpresa quando dei por falta da volta que levava ao pescoço. Nada de mais, uma coisinha baratinha, que deve ter custado ai uns 40 reais, mas que parecia coisa boa, de ouro. Aí fiquei pensando: será que o ladrão tirou a volta do meu pescoço e eu nem vi? Provavelmente foi, porque o fecho estava em perfeito estado, a corrente era grossa e eu não senti nenhum empurrão ou qualquer tipo de contato.

Ficaram duas sensações estranhas. A primeira, de que um homem tocou a minha nuca e eu não senti; e a segunda, de que andar pelo centro da capital parahybana é a mesma coisa que estar como Cristo na cruz: com um ladrão de cada lado…

°°°°°°°°°°

AINDA O TEATRO

Veja algumas ideias interessantes sobre o preço dos ingressos dos espetáculos de teatro AQUI.

°°°°°°°°°°

ESTOU…

… PLANEJANDO passar a semana santa numa cidade pequena e bonitinha, pra fazer muitas fotos.

… USANDO esmalte rosa antigo na unha bem curtinha.

… ACREDITANDO que vou conseguir manter o blog atualizado todo dia.

… PRATICANDO GTD, devagar e sempre.

… PLANTANDO verde pra colher maduro.

… TWITTANDO uma vez por dia.

… DERRETENDO nesse calor.

°°°°°°°°°°

Até amanhã, ou antes disso, quem sabe, em edição extraordinária!





Dia Mundial do Teatro

27 03 2009

teatroHoje é o Dia Mundial do Teatro. Então, deixem-me falar um pouco sobre essa arte em que milito há anos, e onde já fiz de quase tudo, principalmente como dramaturga, atriz, crítica, professora, diretora eventual, e principalmente, praticante apaixonada.

O teatro é uma atividade absorvente e muitas vezes ingrata, principalmente quando perseguimos um resultado que pretende ser mais artístico do que comercial, quando buscamos mais a evolução estética da arte que praticamos do que uma gorda bilheteria e casas lotadas.

Por outro lado, como viver de teatro sem atender aos aspectos comerciais da arte? Como pagar o aluguel, a escola das crianças e a conta do supermercado sem vender ingressos? Artistas moram, comem, têm filhos, usam luz elétrica e água encanada. Parece óbvio, mas muita gente esquece disso e adora pedir uma cortesia para não pagar dez reais por um ingresso. Conciliar arte com mercado, eis o grande dilema de produtores, diretores e atores, que vivem tendo o palco como o centro pulsante e apaixonado de suas vidas.

Entre os vários problemas que o teatro nos coloca, está um, crucial nos dias de hoje, que é a formação do ator. theatreSempre defendi, como pessoa de teatro, aquilo que chamo de preparação espiritual do ator. Essa tal preparação “espiritual” não tem nada a ver com religião, mas com a elevação do espírito, do intelecto, das idéias, dessa parte imponderável do ser humano que extrapola as habilidades corporais desenvolvidas pelos exercícios, que hoje em dia são muitas vezes colocadas como os principais requisitos para o trabalho teatral. Essas técnicas são importantes mas ficam vazias e mecânicas se o ator não tiver esse desenvolvimento interno, do “espírito”, da sua essência enquanto ser humano.

Ler, pensar, trocar idéias, ver filmes, ver quadros, ouvir música, experimentar outros tipos de artes, experienciar a transcendência, a ampliação da consciência, praticar a felicidade, tocar um instrumento musical, observar a natureza e aprender com ela…

Mas tudo isso dá trabalho e a maioria dos jovens atores continua com um pé no palco e os olhos e o desejo na TV Globo, sem sequer ir ao cinema, quanto mais ler um livro! Aí fica aquela casca seca, dominando técnicas corporais, encostando o calcanhar na nuca, mas sem referências interiores para cumprir a tarefa do ator que é criar do nada, tendo como ponto de partida apenas as falas do texto, um personagem completo.

E é aí que reside a mágica desta arte. Criar um ser humano de verdade – de verdade enquanto a cena existe – dando-lhe alma, vida, energia, emoções, suor, sangue, lágrimas e risos! Quem poderia aspirar a uma tarefa mais empolgante do que esta? Um tarefa de deuses? E isso acontece todo dia no teatro, mas num teatro feito por pessoas que, além de músculos, ossos, tendões e ligamentos tenham também espírito, alma, essência.

(Esse texto foi publicado n’A União – João Pessoa/PB – em junho de 2007).

°°°°°°°°°°

MINHA PRIMEIRA VEZ

Lembro da primeira vez em que subi a um palco para fazer um personagem, numa peça de teatro do SESI, em Campina Grande. Eu fazia o papel de uma mulher adulta, de uma assistente social, com falas decoradas e ensaiadas. O ano era 1958 e eu tinha dez anos de idade. Foi minha estréia.

°°°°°°°°°°

OS QUE JÁ FORAM

Presto homenagem a Carlos Nereu, Fernando Athaíde, Chico Vila, Lenício Queiroga, Jesiel Figueiredo, Sandoval Wanderley, Meira Pires, todos eles grandes nomes do teatro do Rio Grande do Norte, que conheci e com quem convivi. Tenho gravada na minha cabeça, como num filme, a imagem inesquecível de Sérgio Dieb interpretando Augusto dos Anjos no palco do Teatro Alberto Maranhão, em Natal, no início dos anos ’70.

°°°°°°°°°°

OS QUE AINDA ESTÃO

Um beijo grande para Marcos Bulhões, Henrique Fontes, João Marcelino, Keila Fonseca, Vitorio Ramon e tantos outros. Grandes amizades, forjadas nos ensaios, testadas nos bastidores e glorificadas em cena.

°°°°°°°°°°

Como Gipsy, a cigana, durante uma performance. Gipsy nasceu em 1996 no espetáculo  "O Romance do Pavão Mysteriozo", dirigido por Marcos Bulhões. Depois criou vida prória e saiu aprontando por aí.

MEU ALTER EGO: Gipsy nasceu em 1996 no espetáculo "O Romance do Pavão Mysteriozo", dirigido por Marcos Bulhões. Depois criou vida própria e saiu aprontando por aí. Esta foto foi feita durante uma performance na Casa da Ribeira, em 2004.

°°°°°°°°°°

AMANHÃ É SÁBADO…

… pé de quiabo. E tem mais Umas & Outras.