Abobrinhas

3 06 2009

HAGIOLÓGIO

clotildeHoje, 3 de junho, é dia de Santa Clotilde. Bela, virtuosa, cristã, rainha de França, conseguiu converter o rei Clóvis – seu marido – e toda a França ao catolicismo.

Em tudo diferente dela, cheia de defeitos e pecados, nunca consegui converter ninguém a coisa nenhuma.

Nem por isso deixo de me mirar no doce exemplo da compassiva rainha e aspirar à santidade… pelo menos por um breve instante. Depois, retorno à normalidade.

°°°°°°°°°°

Bem melhor da gripe, com a tosse quase amainada, estou bem mais feliz e sossegada. Porque aqui pra nós, essa gripe é uma barra tão pesada que nos últimos dias eu andava assim: comendo sabão em pó pra cuspir espuma nos outros…

°°°°°°°°°°

Estou aflita com a temporada nova de algumas das minhas séries preferidas que começam neste mês de junho. Aflita porque eles mudaram os horários, e seriados importantes estarão coincidindo, como Desperate Housewives com E.R. Para completar o furdunço, os filmes do canal Warner agora vão ser dublados. Eu odeio.

°°°°°°°°°°°

Viajar, viajar...

Viajar, viajar...

E essa chuva, hein? Que não para? E que a cada ano é mais intensa? Só espero que quando o Dilúvio Uiversal Parte II chegar eu não esteja mais neste planeta, porque nunca tive vocação para Arca de Noé.

°°°°°°°°°°

Que coisa terrível esse acidente com o avião da Air France! Por causa disso, dei um basta nos meus planos de viagem. Tou morrendo de medo de subir num avião. Mas sei que isso é por enquanto. Depois a gente esquece e volta a voar outra vez. Life goes on.

Achei aqui.

Achei aqui.

°°°°°°°°°°

Fui criada me comportando bem dentro de casa, porque “costume de casa vai à praça”. Deixando sempre um pouquinho de comida no prato para não parecer esfomeada. Chamando as pessoas de Sr. e Sra. até receber autorização para o Você. Levantando e cedendo lugar aos mais velhos: no ônibus, na sala de espera… (Agora eu sou ” a mais velha”, mas ainda levanto para alguém mais velho do que eu ). Mastigando com a boca fechada. Ficando em silêncio no cinema. Não penteando o cabelo nem colocando baton em público. Esperando a minha vez para falar, sem interromper os outros no meio da frase.

E cada vez mais sem achar canto no mundo de hoje.

°°°°°°°°°°

Nunca mais fui ao cinema. Desde Volverine, que prometi, prometi e não assisti. E depois veio a gripe, com a tosse. Agora quem sabe? A tosse passa e eu volto à sala escura. Estou fazendo duas coleções de filmes ótimas: a coleção da VEJA, semanal, que são 52 filmes; e a da Folha de São Paulo, também semanal, com 20 filmes. As coleções são diferentes umas das outras. Toda noite em sessão privê aqui em casa. Privê porque sou somente eu. Os últimos que vi foram Out of Africa, com Meryl Streep e Grande Hotel, com Greta Garbo.

°°°°°°°°°°

E até amanhã!

Anúncios




As igrejas do interior – III

17 05 2009

Volto aqui com as imagens das igrejas das pequenas cidades do interior, tão significativas para o povo que ali vive. Algumas antigas, bem conservadas, guardando ainda traços do barroco tardio, como a de São Gonçalo do Amarante, no Rio Grande do Norte, mostrada aqui. Outras singelas e pobrinhas, mas belas exatamente por isso: pela singeleza.

As fotos estão creditadas aos autores: quando não há o crédito, é porque são minhas. Fotos sem crédito não serão publicadas.

Areia Branca-RN.

Areia Branca-RN. Foto de Alexandro Gurgel.

Paraú-RN.

Paraú-RN.

Caraúbas-RN.

Caraúbas-RN.

Caicó-Rn. Foto de Karl Leite.

Caicó-RN. Foto de Karl Leite.

Apodi-RN.

Apodi-RN.

Santa Cruz-RN. Foto de Hugo Macedo.

Santa Cruz-RN. Foto de Hugo Macedo.

Pedro Velho-RN. Foto de Karl Leite.

Pedro Velho-RN. Foto de Karl Leite.

Acari-RN.

Acari-RN. Foto de Hugo Macedo.

Itapetim-PE

Itapetim-PE

Tangará-RN. Foto de Karl Leite.

Tangará-RN. Foto de Karl Leite.





A cruz dos heróis

15 05 2009

Este texto foi publicado originalmente na Tribuna do Norte, de Natal, em 1999, depois que cheguei de uma viagem que fiz pelo interior do Rio Grande do Norte repetindo o trajeto que Luís da Câmara Cascudo fez em 1934 e que deu origem ao livro Viajando o Sertão.  A minha intenção, terminada a viagem, era a publicação do relato. mas como não houve quem se interessasse em editar, e eu estava sem grana na época, o texto permanece até hoje dormindo na gaveta onde eu vou, de vez em quando, pegar um pedacinho dele para servir aos leitores.


Muita história existe por aí por esse sertãozão. Já dizia o mestre Guimarães Rosa que o sertão é do tamanho do mundo, e vai ver que é mesmo. O meu caro leitor não imagina o que existe por aí por esse interior, para se conhecer, para se descobrir, para se entender.

Em Lucrécia-RN, pertinho da cidade, tem uma cruz plantada na beira da estrada com uma placa com o seguinte dístico: “A cruz dos três heróis. Francisco Canela, Sebastião Trajano e Bartolomeu Paulo sucumbiram neste lugar pelas mãos assassinas de Virgolino Lampião na destemida missão de liberdade de Egidio Dias da Cunha, em 12 de junho de 1927.” O lugar chama-se Caboré, e foi palco dessa sangrenta história que está lá todinha, muito bem contada no livro de Raul Fernandes “A Marcha de Lampião”.

A cruz dos heróis, em Lucrécia-RN.

A cruz dos heróis, em Lucrécia-RN.

A história é a seguinte: os cangaceiros, vindos do Ceará, entraram no Rio Grande do Norte com o intuito de invadir Mossoró. Pelo caminho assaltavam vilas e cidades, e faziam reféns para obter dinheiro. Um deles foi o fazendeiro Egidio Dias, pelo qual os bandoleiros estavam pedindo dez contos de réis.

Rapazes amigos da vítima, corajosos, temerários mas inexperientes, resolveram ir enfrentar os cangaceiros e resgatar o refém. Tudo foi combinado enquanto estavam em um forró, após algumas doses.

É Raul Fernandes quem conta: “A rapaziada saiu despreocupada, em algazarra, estrada acima. Os cabras, emboscados no sítio Caboré, aguardavam que chegassem ao alcance de tiros certeiros. De súbito, ouve-se uma descarga, seguida de outra. Os da frente caíram varados de balas.”

Foram mortos cruelmente os três rapazes que encabeçavam a marcha. Os outros, ao ouvirem os tiros, se jogaram ao chão e rastejaram para dentro do mato, voltando bem mais tarde para recolher os corpos dos amigos.

Zé Maia e Rita Cesária, memória viva da cidade.

Zé Maia e Rita Cesária, memória viva da cidade.

Zé Maia, com quem conversei em Lucrécia, contemporâneo desses acontecimentos, complementa a história e dá detalhes: “Ajuntaram e foram com uma pistola velha, pau, um rifle velho, pra ir atrás de Lampião que tava com um bando de 60 homens. Quando iam conversando, pei-pei-pei, pei-pei-pei, aí Lampião apontou. Dois caíram logo e o tal do Bartolomeu tinha chegado há pouco tempo, era um primo da gente, do exército, um rapaz novo, dizem que ele atirou com a arma de fogo, dizem até que ele matou um, mas os cangaceiros pegaram ele, cortaram os braços, regetaram as pernas, furaram os olhos, destamparam a cabeça, ficou um bagaço. Aí falam que Lampião disse: – Um homem daquele não era pra nós ter matado não, era pra nós ter conduzido ele.” Quanto ao refém, conseguiu fugir, aproveitando-se de uma distração dos bandidos. Raul Fernandes conta que Egídio Dias “desata, com os dentes, o nó da corda. Tira o paletó e a camisa. Arruma as vestes no chão e coloca o chapéu, no lugar da cabeça, de modo a simular sua presença.”

Egídio Dias foi o único prisioneiro a conseguir escapar de Lampião. “Força de reza, minha filha!” confidenciou-me Rita Cesária, mulher de Zé Maia. “Foi a mulher dele que rezou, reza forte. Chegou em casa muito judiado, muito maltratado, mas escapou. Força de reza.”

E quem sou eu pra duvidar?


Mais sobre a minha viagem, aqui.

E para mais histórias ou informações sobre o cangaço acesse o blog da Sociedade Brasileira de Estudos do Cangaço.





Ludwig II, da Baviera.

11 05 2009
Ludwig II da Baviera

Ludwig II da Baviera

Há muito estava pautado neste blog um post sobre o rei Ludwig da Baviera, de quem sou fã, e que construiu aquele espetacular castelo de contos de fadas no qual se inspirou Walt Disney para criar o castelo da Cinderela.

Aí, de repente não mais que de repente, vem o meu amigo José Roberto Whitaker Penteado e escreve sobre o mesmo tema, tão bem e tão bonito, muito melhor do que eu poderia fazer.

Sendo assim, segue o texto dele, que saiu publicado na revista Marketing, da Editora Referência. Enfeitei com umas fotinhas, mas o texto é do Zé Roberto e vai aí abaixo, integral, com epígrafe e tudo, do jeito que saiu na revista.

°°°°°°°°°°

LUDWIG DA BAVIERA, por José Roberto Whitaker Penteado.

Nas montanhas, lá, onde livre te sentes.
Leio muito à noite, e viajo para o sul durante o inverno.
T. S. Eliot, Terra Desolada (The Wasteland)

Castelo de Neuschwanstein

Desde que assumi a última página desta revista (em abril de 1979; sim, meus jovens, são 30 anos) – com carta branca do Armando Ferrentini para escrever sobre o assunto que quisesse, nunca imaginei que escreveria – um dia – sobre o rei da Baviera Ludwig Friedrich Wilhelm, ou, mais simplesmente, Ludwig II.

Mas vocês vão ver que tem muito a ver, com uma porção de coisas. A primeira delas é que não se deve dizer ou escrever Bavaria para nomear este importante estado alemão. Em português é Baviera – e quem criou a cerveja Bavaria, no Brasil, ou não sabia disso ou preferiu a denominação em inglês. Em alemão, Baviera é Bayern. As iniciais BMW, por exemplo, significam Bayerische Motoren Werke, em português: Fábrica de Motores da Baviera – e não da “Bavaria”.

Segundo, nós, brasileiros, entendemos pouco de nobreza européia – além da rainha Elisabeth II, D. João VI ou Napoleão. São tantos os reis, imperadores, príncipes, duques e arquiduques, que não temos reserva mental para todos. Assim, este Ludwig entrou na minha vida por dois caminhos: o primeiro foi o lindo castelo de

Ludwig, com Wagner

Ludwig, com Wagner

Neuschwanstein, encarapitado numa montanha, perto da Floresta Negra, que Walt Disney usou como modelo para o castelo de Cinderela, no desenho, e que acabou, de fato, reconstruindo, na primeira Disneylândia. O segundo foi quando descobri Wagner e sua música, e soube que viveu anos à custa do rei, tendo dele obtido, também, verbas para construir seu teatro e sua casa, em Bayreuth. Dizem os especialistas que a tetralogia das óperas que compoem O Anel do Nibelungo simplesmente não existiria, se não fosse pelo mecenato de Ludwig.

Mimetizando Luís XIV, que ele admirava.

Mimetizando Luís XIV, que ele admirava.

Aprendi também que Ludwig tem, até hoje, péssima reputação entre certas pessoas por ter-se dedicado a erigir castelos (construiu 4, reformou 2 e deixou planos para outros), apoiar as artes e os artistas e (recentemente, quando se começou a falar abertamente dessas coisas) porque era homossexual.

Foi assim que aluguei o DVD de um catatau de 4 horas de duração, dirigido por Lucchino Visconti, chamado – adivinharam – Ludwig. Pode parecer incrível, mas valeu a pena. LC conseguiu reconstituir quase fotograficamente o que deve ter sido a história deste peculiar soberano.

Ludwig, o filme

Ludwig, o filme

Caso V. seja um cinéfilo, vá e alugue o DVD para tirar as próprias conclusões. Mas a minha impressão é a de que, além de construir os castelos (que, hoje, são atrações turísticas extremamente lucrativas para o governo alemão) e de assegurar à posteridade as extraordinárias óperas que constituem o Anel, Ludwig foi um cara legal, politicamente hábil, pacifista e bom caráter, pois não quis empatar a vida da prima com um casamento de fachada, já que gostava de homens. Também acabou sendo morto através de uma conspiração e a falsa acusação de que era louco e se drogava. Pode?

Em matéria de rei, sou mais Ludwig da Baviera do que tantos tiranetes que adquiriram sua imerecida fama através de invasões, guerras e violência.

°°°°°°°°°°

Veja sobre o autor aqui.

Veja mais sobre Ludwig aqui e aqui.

Neusch no inverno, uma visão de sonho.

O Castelo de Neuschwanstein no inverno, uma visão de sonho.




A dois passos do Paraíso – Bananeiras-PB

12 04 2009

253-320x200

Abrindo o site da prefeitura de Bananeiras, o texto diz que a cidade está “… localizada na Serra da Borborema, região do Brejo paraibano, a 130 km de João Pessoa e a 70 km de Campina Grande. Com altitude de 526 metros, Bananeiras possui clima frio úmido, com temperatura média de 28°C no verão e 10 °C no inverno.”

Esta é apenas a informação técnica, que não fala da Natureza exuberante, da sucessão de paisagens que nossos olhos descortinam de onde quer que a gente esteja, cada uma diferente da outra, proporcionadas pela topograaborboleta2fia da região. Tudo verde, tudo úmido, tudo com aquela impressão de Paraíso Terrestre, de um mundo que parece que foi inventado naquele instante, com milhares de matizes de verde e cheio, lotado de vida, passarinhos, insetos, formigas, abelhas, marimbondos, imbuás e tudo quando é de bichinho miúdo e bonitinho rastejando, voando, zum-zum-zumbindo, cantando, chilreando, borboleteando, no meio das flores de todas-todas-todas-todas as cores. E veja aborboletavocê, meu caro leitor: eu que sou avessa ao frio e que só gosto de Natureza se ela estiver do outro lado de um vidro blindex, me abestalhei com o cuidado de filigrana de detalhe, de minúcia, que o Universo empregou para criar essa jóia que repousa no centro do escrínio verde do Brejo. Ô Paraíba bonita danada, minha gente! Cheia de tesouros que não conhecemos. A temperatura amena, mesmo neste abril que está ainda calorento em muitos lugares do Nordeste, traz uma noite de sono tranqüilo, “sem rádio e sem notícia das terras civilizadas”, debaixo de um cobertor quentinho.

Também por isso Bananeiras está se transformando num destino desejado por muitos, para fugir do calor e da agitaçãoacentro dos grandes centros. O metro quadrado disparou de preço e não é todo mundo que pode comprar um terreno por lá, como acontecia há alguns anos. A cidade passa por um surto de desenvolvimento, com novas construções se erguendo a cada esquina – algumas, é verdade, subvertendo a arquitetura característica da cidade, o que é uma pena – mas o fato é que os novos empreendimentos geram riqueza para o município, movimentam a economia, introduzem novos hábitos, civilizam os costumes. Mas essa história de progresso tanto tem o lado bom como o lado ruim, porque toda moeda tem duas faces. No pátio da Matriz, na sexta feira da Paixão, eu estava esperando sair a procissão para fotografar. Uma criatura me pediu esmola. Quando eu disse que não tinha, a resposta foi dura e impertinente: “É melhor pedir do que roubar…”

asobradoPassei somente um dia na cidade, a sexta-feira da Paixão. Não vi quase nada. Havia muita coisa que eu queria ver: a feira de Solânea no sábado, fazer uma visita a uns parentes Santa Cruz que moram por lá, visitar e fotografar a antiga estação de trem – só fotografei um dos túneis – ver o cemitério, andar a pé pelas ladeiras, ver a contadeira de histórias que dizematunel que é famosa, entrar nas bodegas, conversar com as pessoas na rua.

Mas o lugar não tem uma conexão de Internet com a rapidez e a facilidade que eu preciso para trabalhar. Levei meu notebook, que tem wireless mas ficou desconectado, e como tenho meus blogues e colunas de jornais com prazos para escrever e enviar, peguei o ônibus no sábado de manhã de volta a João Pessoa.

Sinceramente, acho isso uma pena. avistageral1É tão simples uma conexão sem fio! O camarada lá que fornece o sinal sem fio que havia na cidade – mas que o meu notebook não podia captar por não estar cadastrado – deveria disponibilizar para os visitantes conexões temporárias, renováveis a cada 24 horas, e cobrar por isso. Eu estava disposta a pagar até dez reais por 24 horas de conexão, se isso fosse oferecido, para poder ficar mais uns dias naquela cidade. Não me interessa essa nova tecnologia G3 pois já tenho em João Pessoa um pacote que envolve telefones fixo e móvel, conexão à Internet, e estou satisfeita com ela. Então, o bom seria mesmo chegar em algum lugar, dar um telefonema, dar o meu número IP e o cara lá configurar uma conexão provisória para mim, que eu podia pagar no meu cartão de crédito, uma coisa simples como colocar crédito num celular pré-pago. Já tive essa facilidade em outras viagens, em outros estados. Então, é possível. Acho que está faltando espírito empreendedor nesse terreno de comunicação. E não venham me dizer que estou mal-informada pois me hospedei na casa da Secretária de Turismo do minicípio, a minha amiga Ana Gondim, que mais que qualquer pessoa conhece a realidade do local. Aliás, a casa de Ana Gondim não é propriamente uma casa mas um chalé de contos-de-fadas, cujos detalhes não revelarei aqui porque eu, se fosse ela, manteria aquele ninho em completo segredo…

Enfim, depois de dois dias incomunicável, fui à rodoviária, pegar um ônibus para João Pessoa. Sentei no batente junto com minhas sacolas – os poucos bancos estavam no sol – e esperei o ônibus da empresa Boa Viagem, que me disseram que passaria às 10h40. Passou às onze horas, e lá fui eu, a bordo daquele veículo todo desconjuntado, ladeira abaixo, aonibusdescendo a serra. Janelas abertas, cortinas despregadas, ventania dentro do ônibus, e eu fiquei imaginando como deve ser essa viagem quando está fazendo os tais 10 graus que dizem que faz no inverno. Paguei catorze reais pela passagem até João Pessoa, onde cheguei às 13h40, depois de passar por Rua Nova, Belém, Pirpirituba, Guarabira, Mari, Sapé, Sobrado, Café do Vento, Santa Rita, Bayeux e João Pessoa, onde finalmente me conectei para baixar centenas de e-mails que se acumularam nesses dois dias, atualizar os blogues, e saber das novidades.

Bananeiras é um paraíso, mas vá de carro, para não precisar usar os “serviços” da rodoviária e da empresa de transporte; e se precisar de Internet rápida, esqueça. Espero que resolvam esse problema logo, porque quero voltar para passar uma semana.





Bananeiras-PB.

11 04 2009

Hoje convido você para ver as imagens que colhi na cidade de Bananeiras, no Brejo Paraibano, a  140 km da capital. Passei os dias 9 e 10 de abril nessa deslumbrante cidade, mas voltei hoje, Sábado de Aleluia, para aleluiar por aqui mesmo. Neste post já noturno vou lhe mostrar apenas as fotos, prometendo-lhe para amanhã os meus comentários sobre a cidade.

Cheguei no dia 9 de abril, quinta-feira, à tardinha, e fui logo recepcionada por uma Lua Cheia, igual àquelas da minha infãncia, parecendo um queijo-do-reino, de tão amarelinha.

Cheguei no dia 9 de abril, quinta-feira, à tardinha, e fui logo recepcionada por uma Lua Cheia, igual àquelas da minha infância, que era ver um queijo-do-reino, de tão amarelinha.

Do alto onde eu estava, via ao longe a cidade, com seu casario graciosamente acomodado nas encostas, destacando-se a Igreja Matriz

Do alto onde eu estava, via ao longe a cidade, com seu casario graciosamente acomodado nas encostas, destacando-se a Igreja Matriz.

Matriz de Bananeiras.

Matriz de Bananeiras.

Bananeiras tornou-se lugar escolhido para férias e finais-de-semana de quem mora em cidade grande. A residência antiga, reformada e habitada, ganha agora novo esplendor.

Bananeiras tornou-se lugar escolhido para férias e finais-de-semana de quem mora em cidade grande. A residência antiga, reformada e habitada, ganha agora novo esplendor.

Antigo convento das Irmãs Dorotéias, cendo-se também um monumental ficus, árvore que deve estar ali há ´decadas, símbolo da pujança vegetal da região.

Antigo convento das Irmãs Dorotéias, vendo-se também um monumental ficus, árvore que deve estar ali há décadas, símbolo da pujança vegetal do Brejo.

Doce-de-banana especial da região, com poderes afrodisíacos e que promete novo orgulho para criaturas que andavam cabisbaixas e tristes. É a famosa "Bananagra"! Eu comi um prato cheio.

Doce feito com a banana especial da região, com poderes afrodisíacos, e que promete novo orgulho para estruturas que andavam cabisbaixas e tristes. É a famosa "Bananagra"! Eu, por via das dúvidas, e mesmo sem estar cabisbaixa, comi um prato cheio.

E lá vem a procissão do Senhor Morto.

E lá vem a procissão do Senhor Morto.

O cortejo se aproxima.

O cortejo se aproxima, com os coroinhas ladeando o esquife.

Os coroinhas tocam as matracas.

Os coroinhas tocam as matracas.

O esquife com a imagem do Cristo Morto, aos ombros dos fiéis.

O esquife com a imagem do Cristo Morto, aos ombros dos fiéis.

E o Judas Iscariotes, bandido e traidor, pronto para ser malhado.

E o Judas Iscariotes, bandido e traidor, pronto para ser malhado.

Finalmente, a Natureza que explode em beleza e cores ao nosso redor.

Finalmente, a Natureza que explode em beleza e cores ao nosso redor.

Perfeita paz entre insetos e flores.

Paz perfeita entre insetos e flores.

E o beija-flor, gulosinho, empanturrado de mel, ainda consegue ficar soltinho no ar!

E o beija-flor, gulosinho, empanturrado de mel, ainda consegue ficar soltinho no ar!





As igrejas do interior

31 03 2009

Quando viajo por aí, sempre gosto de fotografar as igrejas das pequenas cidades do interior. Algumas são verdadeiras jóias, mostrando uma arquitetura suave, singela, de um barroco modificado, mas ainda guardando alguns elementos que lembram os majestosos templos das grandes capitais. Outras, coitadinhas, foram tão modificadas em nome de “reformas” e “melhorias” que parecem monstrengos. Tenho muitas fotos dessas igrejas, e hoje aqui publico algumas. Todas as fotos são minhas. Não sou fotógrafa. O único valor dessas fotos é o registro.

Afogados da Ingazeira - PE

Afogados da Ingazeira - PE

Bonito - PE

Bonito - PE

Cabaceiras - PB

Cabaceiras - PB

Itambé - PE

Itambé - PE

Monteiro - PB

Monteiro - PB

Patos - PB

Patos - PB

Pesqueira - PE

Pesqueira - PE

São João do Cariri - PB

São João do Cariri - PB

Soledade - PB

Soledade - PB

Timbaúba - PE

Timbaúba - PE