Mudando de endereço

26 03 2010

Novidades por aqui: o blog está completando um ano e mudando de endereço.

Siga o link: www.umaseoutras.com.br





Estar pronto é tudo

23 03 2010

Estou  fazendo umas aulinhas de inglês. Nada demais, apenas a velha “conversation class”, porque pretendo viajar daqui a algumas semanas e preciso perguntar às pessoas como pegar um ônibus, quanto custa tal produto, a que horas o museu fecha e onde posso encontrar comida sem glúten.

Desde os onze anos de idade que faço aulas de inglês. No colégio, fazendo parte do currículo de primeiro e segundo grau, foram oito anos. Fiz também Cultura Inglesa, quando adolescente. Ouvi (e ouço) muita música em inglês – o rock sempre fez parte da minha vida – e os  filmes e revistas nesse idioma sempre estiveram misturados com meu dia-a-dia. Depois, na Faculdade, estudei muito em livros em inglês e estudei o chamado “inglês instrumental” – que é aquele tipo de inglês voltado para termos e expressões dentro da minha profissão, no caso a Medicina, que exerci até 1990.

Com a Internet, que frequento assiduamente desde 1992, o idioma incorporou-se definitivamente ao meu cotidiano, de tal forma que muitas vezes me perguntam se determinado software que uso é em inglês ou português e eu não sei responder.

Mas toda essa prática sempre foi voltada para a leitura, para a compreensão e expressão da palavra escrita. Na hora de falar, ou pior, de entender o que me dizem, eu fico muito abaixo da média.

Quando tento conversar a coisa se complica e fica ao mesmo tempo muito engraçada. Isso porque, durante as aulas, eu não abro mão de dizer em inglês nada do que vem à cabeça, como se estivesse numa conversação livre na minha língua materna. Depois de uma meia hora disso, fico simplesmente extenuada, cansada mesmo, porque o processo exige de mim uma atenção, uma concentração, uma prontidão extrema.

É como aprender a dirigir: quando é no ínício, a gente precisa ficar atento à troca de marchas, pressão nos pedais e acionamento de luzes e sinaleiras que, na sequência, se tornam comportamentos automáticos e deixam de nos preocupar.

Por enquanto, a minha conversation class me exige extrema atenção, um estado permanente de alerta, de prontidão, de “readiness”, conceito tão bem traduzido na frase de William Shakespeare em Hamlet, Ato V, Cena 2.

“Not a whit, we defy augury; there’s a special Providencein the fall of a sparrow. If it be now, ’tis not to come, if it be not to come, it will be now; if it be not now, yet it will come. The readiness is all.”

ou

De modo algum; nós desafiamos o agouro; há uma providência especial na queda de um pardal. Se tiver que ser agora, não está para vir; se não estiver para vir, será agora; e se não for agora, mesmo assim virá. O estar pronto é tudo. (Na tradução de Ana Amélia Carneiro de Mendonça)

Então, em busca do “estar pronto”, do falar sem precisar raciocinar escolhendo palavras e do pelejar para estropiar o mínimo possível o idioma de Shakespeare, fico por aqui, com um singelo “See ya!”





Dia Mundial da Água

22 03 2010

Há alguns anos, escrevi um folheto de cordel para ser usado numa campanha da Secretaria de Recursos Hídricos do meu estado, o Rio Grande do Norte. A Secretaria Nacional gostou tanto que reconheceu a autoria – coisa que raramente se faz em peças publicitárias feitas de encomenda – e incluiu na sua biblioteca de publicações.
Hoje, comemorando o Dia Mundial da Água, divulgo aqui esse trabalho

A ÁGUA É UM BEM DE TODOS, por Clotilde Tavares

Peço à Musa da Poesia
Que me dê inspiração,
E a você, caro leitor,
Eu peço a sua atenção.
Escute bem o que eu digo
E depois responda, amigo,
Se não estou com a razão.

Vou lhe falar sobre a água,
Este líquido precioso,
Que nos dá saúde e vida,
Torna o mundo mais ditoso.
Mata a sede da criança
E recobre de esperança
O chão mais seco e terroso.

A água é o grande recurso
Da nossa Mãe Natureza.
Seu valor é inestimável,
Quem tem água, tem riqueza.
Tudo brota, tudo cresce,
Com ela a terra floresce
E se cobre de beleza.

A água serve pra tudo
Que você possa pensar.
Serve pra matar a sede,
Pra comida preparar.
Serve pra molhar as plantas,
Suas vantagens são tantas
Que ninguém pode negar.

Serve para tomar banho,
Pra lavar roupa também.
Com ela se lava a casa,
O paiol e o armazém.
Água fornece saúde,
E a limpeza é uma virtude
Que só traz o nosso bem.

Leia o restante aqui.





Linkagem

21 03 2010

Bobagens em origami:

http://lifehacker.com/5463790/learn-how-to-fold-thousands-of-origami-figures-at-origami-club

Denise, blogueira que mora na Coréia, fala sobre um fenômeno próprio dali:  a poeira amarela.

http://sindromedeestocolmo.com/archives/2010/03/a_poeira_amarela_vista_aqui_de_casa.html/

Meu sobrinho Nilo Neto vai pra cozinha – sim, o bonitão está lá sem camisa – e prepara maminha com cerveja preta. A entregação é do blog da namorada, Jady.

http://jady.blogspot.com/2010/02/namo-na-cozinha.html

Dobrar um lençol é fácil. A dica é do site Chega de Bagunça. http://chegadebagunca.blogspot.com/2010/01/dobrando-lencol-de-elastico-como-um.html

Você é “creuza”? Se for, seu blog é o Vende na Farmácia, onde Joo e Loo fornecem material para todas as suas fantasias. E se você não sabe o que é ser “creuza”, relaxe. Se não sabe, é porque você não é e, em não sendo, não vale a pena mesmo pensar nisso.

http://www.vendenafarmacia.com/

Dicas preciosas para construir sua networking. No site Efetividade.net. http://www.efetividade.net/2010/03/15/networking-amplie-seu-circulo-de-influencia/

Você é blogueiro do WordPress? Muitas dicas aqui. http://www.pblog.com.br/

Ligado na Hungria, ou, mais especificamente, no idioma magiar? O tradutor Chico Moreira Guedes lhe conduz nos meandros dessa cultura. http://hungaromania.wordpress.com/

Andaram dizendo que o e-mail havia morrido. Tiago Dória defende que não. http://www.tiagodoria.ig.com.br/2010/03/10/apos-39-anos-o-email-continua-firme-e-forte/





Pior do que o soneto

19 03 2010

Nesta semana vimos nas telas da TV, nos noticiários, o caso da mulher que, segundo denúncias, esmolava usando a filha. Vimos como, através de uma denúncia anônima, a autoridade judicial ordenou o recolhimento da criança a um abrigo.

Vimos também que, entre a letra e o ato há diferenças, nesse caso nada sutis. A ordem judicial foi executada com extrema brutalidade, sem respeitar os sentimentos da criança e da mãe, separadas com força física e sem a presença de suporte psicológico para ambas. A policial que recolheu a menina usava uma arma na cintura, e penso – não sei se com razão – que qualquer pessoa que lidar com uma criança não pode estar ao mesmo tempo usando uma arma. Além disso, a policial entrou com a criança no colo no banco da frente do carro, e esse carro arrancou bruscamente, saindo em velocidade, contrariando frontalmente as leis de trânsito. A profissional da unidade que abrigou a criança condenou a forma como a ordem foi executada; e todo o Brasil ficou constrangido com a brutalidade.

Um detalhe não me escapou: a mãe é uma cigana, e também não me escapou toda a carga de preconceito que existe contra essa cultura, que não conhecemos, não entendemos e tememos. Associamos sempre os ciganos com ladrões e vagabundos, raptores de crianças e outras bobagens, percepção essa reforçada por uma literatura romântica e sem fundamento na realidade.

É claro que só estou falando de tudo isso porque havia, na hora, uma câmera para filmar o acontecido e em seguida colocar tudo em rede nacional de televisão. A minha pergunta é: quantos abusos desse tipo existem por aí, com ordens que na letra da lei parecem limpas e razoáveis mas que na prática são executadas de forma errônea, cruel, desastrosa, com mais prejuízo para os implicados do que se permanecer a situação original?

O Brasil está ainda engatinhando nessa área de proteção aos direitos de crianças, idosos, portadores de deficiência e outros grupos considerados vulneráveis. É preciso evitar que, na ânsia de resolver uma situação que aprece inaceitável não se crie outra mais inaceitável ainda. É preciso evitar que, nesses casos, a emenda se torne pior do que o soneto.





Umas perguntas

18 03 2010

A mídia me mostra coisas curiosas nesses dias.

A primeira é uma policial com uma arma do tamanho do mundo enfiada na cintura, tomando uma criança dos braços de uma jovem mãe. Com a criança aos berros nos braços, ela entra no banco da frente de um carro que sai em disparada. Tudo errado.

Mais uma: Xuxa Meneghel dando opinião de entendida sobre royalties petrolíferos, secundada por Letícia Spiller, que era Paquita, lembram? Quase eu canto ilariê.

Depois, é a hora do triste episódio do assassinato do cartunista Glauco, esclarecido, uma vez que o assassino confessou o crime. Aí a mídia fica sem assunto e tenta implicar o chá de ayhuasca como motivação para o delito.

Fico indignada com a brutalidade policial no primeiro caso; no segundo caso, é só impaciência com as estrelas de TV falando sobre o que não entendem. Mas no terceiro é raiva mesmo da burrice e da falta de conhecimento. A ayhuasca não transforma ninguém em assassino. O álcool faz isso, e não é vendido em toda esquina?

Pois é.

Ainda estou com dor nas costas, e por isso não estou escrevendo coisa-com-coisa.





Ô preguiça…

16 03 2010

As pessoas gostam de dizer que a necessidade é a mãe da invenção. Ou seja: inventa-se algo porque se precisa desse algo. Mas tenho pra mim que outra sensação precede a necessidade, vindo antes, e que parece ser a real e determinante causa de todas as invenções da tecnologia que hoje dominam a nossa vida. Essa sensação é a preguiça.

Afirmo, sem medo de errar, que a invenção nasce diretamente do nosso desejo de facilitar as coisas, da nossa busca de fazer o máximo com o mínimo de esforço possível.

Cansado de caminhar de um lado para o outro, o homem primitivo descobriu que podia escorregar com pouco esforço sobre o solo, se a superfície fosse suficientemente lisa; surgiu daí o trenó, que deslizava maciamente sobre o gelo, não se adaptando porém a terrenos mais ásperos.

Para estes, aparece então a roda, com os diversos veículos que aumentavam a capacidade do pé, do passo humano. Todos os carros, carruagens, máquinas a vapor, locomotivas, trens, navios, patins, bicicletas, motocicletas, skates, elevadores, escadas e esteiras rolantes, naves espaciais, bem como pontes, estradas, viadutos, tudo, tudo, foi criado em seqüência, motivado pela preguiça inicial do nosso antepassado de ir de um lugar a outro pelos próprios pés. O curioso é que pelo uso exacerbado dessas “extensões” dos pés, nos tornamos sedentários e, para compensar, temos que caminhar horas sem sair do lugar, nas esteiras das academias de ginástica.

Quer ver outro exemplo? Cansados de gritar até ficarem roucos para se comunicar uns com os outros à distância, os nossos peludos bisavôs dos antigos tempos começaram a percutir um tronco oco com um bastão; daí, inventaram uma linguagem sonora que ia aonde o grito não alcançava. Vieram na seqüência os sinais de fumaça, as buzinas de chifre, os sinos, as cornetas e trombetas, o megafone, os faróis (que equivalem a um grito noturno), a escrita, o pombo-correio, o correio propriamente dito (que leva a voz nas palavras a lugares distantes), os diferentes sistemas de sinalização usando bandeiras, espelhos, e outros artefatos, até o telégrafo, o rádio, o jornal, o telefone, a televisão, o cinema, e esta espetacular junção dos computadores e telefones que constituem as redes telemáticas e que, através da Internet, envolvem o planeta, levando a voz de cada um de nós aonde queiramos que ela vá.

No escuro das noites antediluvianas, depois de se esforçar em vão para enxergar, o homem inventa então os meios artificiais de iluminação: a fogueira, a vela, a tocha, as lâmpadas a óleo, os lampiões, os diversos tipos de gás para iluminação, os óculos, o holofote, o telescópio o microscópio, a lente de aumento, a fotografia, o cinema e a televisão (de novo, junção de voz com imagem) e os espetaculares telescópios astronômicos que enxergam até onde a gente pensava que não existia mais nada.

Uma viagem, meu caro leitor, essa de imaginar o que podemos inventar quando a preguiça bate e queremos fazer as coisas mais fáceis e mais agradáveis. Como eu, hoje, ainda convalescendo dos abalos à minha coluna vertebral, combalida pela idade, cheia de preguiça de escrever, que fui buscar inspiração num velho livro de infância, chamado “História das Invenções”, de Hendrik van Loon, da Editora Brasiliense, que, com a data de 1959, me acompanha até hoje. Lá, você encontra essa história toda, em detalhes e livre dos meus nem sempre sensatos comentários. Foi lá que pesquei essas idéias pra você. Por pura preguiça.








Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.